Murray fecha o ano como número 1 do Mundo

Andy Murray, conseguiu estar entre os melhores tenistas nos últimos anos, mas nunca tinha conseguido ser o melhor, até o fim deste ano.

O tenista chegou a estar em finais de Grand Slams, mas tinha conseguido alcançar apenas a posição número 2 do mundo.
Em 2016, Murray iniciou o ano mostrando que este seria um ano especial para ele, logo no primeiro Grand Slam do ano, o Australian Open, mostrou um bom tênis que o levou a final do torneio, porém, esbarrou em Djokovic e ficou apenas com o vice campeonato, mais uma vez.
O troféu também não veio no torneio da França, Roland Garros, quando mais uma vez Murray fez a final contra seu carrasco Novac Djokovic e teve de ficar com o segundo lugar.
Em Wimbledon, jogando na grama onde se sente a vontade, o britânico chutou o fantasma do quase campeão para longe e levou o título do Grand Slam para casa, em cima de Raonic por 3 sets a 0. O tenista já havia vencido o torneio uma vez, em 2013.
Logo após, nos Jogos Olímpicos, se consagrou bicampeão, vencendo Juan Martin Del Potro, com isso, alcançou uma marca inédita
Apesar não ter tido um bom resultado nos Masters 1000 ao longo do ano, tendo sido eliminado precocemente em Miami e Indian Wells, foi no Masters 1000 de Paris, que Murray viu seu rival Djoko ser eliminado e tomou o primeiro lugar do ranking.
Depois disso, ainda teve que assegurar sua posição no ATP Finals, disputando a final do torneio contra o número 2 que ele deixou para trás.
A eliminatória do britânico consistiu em dois dos jogos mais longos da história do ATP, um deles, que durou 3:20, foi o mais longo, enquanto o sérvio passou tranquilamente por seus dois adversários, chegando para a final em melhores condições físicas e mais descansado.
Porém, o esforçado Andy Murray já tinha a liderança e não a deixaria escapar de suas mãos e esse não seria mais um campeonato em que ele ficaria com o segundo lugar para o mesmo rival. Num jogo onde Djokovic cometeu muitos erros, Murray foi consistente, o superou e não se deixou ultrapassar, vencendo a final por 2 sets a 0.
Assim, termina o ano sabendo que chegou pela primeira vez ao almejado primeiro lugar, depois de estar tão perto por tantas vezes e, mais do que isso, conseguiu assegura-lo, numa disputa direta contra o ex número 1 do mundo mostrando que merece a posição e que não vai ser tão fácil assim arranca-la dele.
Veremos como os tenistas irão iniciar a próxima temporada, ou será que mais alguém vai entrar na disputa pelo topo?