Superintendente de Marketing do Corinthians ironiza críticas à Arena e fala sobre momento do clube

Corinthians
Foto: Ricardo Tavares/Ag. Corinthians

Em um evento em São Paulo, Gustavo Herbetta representou o Corinthians e comentou sobre o momento do clube, principalmente em relação ao estádio.

LEIA MAIS:
Timão terá retorno de quatro jogadores para “decisão” do próximo sábado

Já não é de hoje que os noticiários trazem notícias negativas referentes ao estádio corintiano construído em 2014, seja na forma como foi conduzida a negociação entre o clube e a construtora como também problemas internos, como vazamento de água.

Para o Superintendente de Marketing do Timão, a imprensa precisa ter mais cuidado com as informações divulgadas e criticou isso em um tom irônico: “As notícias precisam ser amplamente checadas antes de serem veiculadas. A gente esta esperando a Arena desabar, não desabou ontem, olha que coisa, por um vazamento de água do ano passado. Não caiu ontem, já sábado eu não sei” disse.

Herbetta insinuou também que muito do que é divulgado sobre o Corinthians é apenas para o “lado negativo” e afirma que já faz um tempo que isso acontece: “Há três meses nossos dias são complicados, a gente faz até um ‘bolão’, o que vai ser hoje? Hoje (terça-feira, 22) foi impeachment, né? Amanhã não sei o que vai ser. Há três dias a gente era campeão brasileiro no ano passado. Se um desavisado entrou em coma há um ano e chegou hoje em São Paulo parece que a gente foi rebaixado para a série B e não tem gestão, pior Marketing, pior estádio”, criticou.

Sobre a ação com um sócio-torcedor que comprou o ingresso de número 1 milhão do estádio no ano, que foi realizada na partida contra o Internacional na última segunda-feira, da qual o torcedor entrou em campo como se fosse um atleta, vestido com uniforme e perfilado para cantar o hino nacional, Herbetta exemplificou o que disse anteriormente: “Nenhum time no Brasil conseguiu vender 1 milhão de ingressos, nem mesmo o Palmeiras. O torcedor foi surpreendido e foi uma experiência que não tem preço para ele. Sabe qual notícia foi divulgada? Torcedor do Corinthians virou uma várzea, invade o campo sem a diretoria perceber e o clube vai ser punido pelo STJD”, completou indignado.

Voltando à Arena Corinthians, questionado sobre naming rights, Gustavo falou sobre o negócio mas não deu previsão de acerto: “A ideia inicial era vender o nome junto com o Fiel Torcedor, mas não é mais, hoje é só o nome, naming rights tradicional. O preço pode mudar, como uma negociação normal, o preço de uma camisa, o preço de um patrocínio, é negociável.”, concluiu.