Marcão cita Michael Jordan para defender Scarpa após empate do Flu; veja a coletiva

Fluminense
Crédito de imagem: Nelson Perez/ Fluminense FC

Na estréia como técnico do Fluminense no Campeonato Brasileiro após a demissão de Levir Culpi, Marcão e seus comandados acabaram ficando no empate em 1 a 1 contra o Atlético-PR, complicando a briga do Tricolor por uma vaga na próxima Libertadores. No fim do jogo, o meia Gustavo Scarpa perdeu um pênalti, mas recebeu palavras de apoio do treinador, que citou um dos maiores jogadores do basquete americano.

LEIA MAIS:

Ex-Fluminense, Maicon Bolt tem contrato encerrando e não descarta volta ao Brasil
Fim da parceria? Veja 5 notícias do Fluminense bombando na internet
Presidente do Fluminense revela quem foi o responsável pela saída de Fred
Veja os reforços do Fluminense que deram certo e errado no Brasileirão

 

– O Gustavo é um jogador que se dedica muito. Sempre busca um algo a mais. Pega a bola e fica treinando pênalti, falta… Hoje a bola decisiva foi no pé dele, mas os grandes jogadores passam por isso. Hoje li uma o livro do Jordan. Diz que teve 200 bolas decisivas e errou 190 ou mais, mas nem por isso ele deixou de ser o Jordan. O Scarpa pediu para bater, treina para isso, mas a bola não entrou. Temos que dar apoio e recuperar para próxima partida.

Fluminense
Crédito de imagem: Reprodução/Fluminense Oficial

Veja os demais trechos da coletiva de Marcão:

AVALIAÇÃO DA PARTIDA:

– Primeiro quero enaltecer a nossa torcida, que assumiu um compromisso, lotou e incentivou. Estamos tristes, é um momento difícil. Os jogadores se dedicaram durante a semana, mas infelizmente não concretizamos. Vamos ter de curar as feridas, mas vamos duelar jogo a jogo disse o treinador, que substituiu o demitido Levir Culpi.

OBETIVO DO FLU NO BRASILEIRÃO APÓS O EMPATE:

– O time do Atlético-PR teve muito volume. No segundo tempo, pontuarmos que eles iam arriscar mais. Conseguiram fazer o jogo deles, com posse e velocidade. Já estava pensando em colocar mais um atacante, aí houve o pênalti. Agora, temos que pensar jogo a jogo, buscar o máximo de pontos para ver se sobra uma vaga.

MUDANÇAS NO TIME:

– Quando há uma mudança, temos que criar situações para deixar o grupo confiante. Achei que o Marquinho deveria estar junto. É um cara de grupo, que leva para cima e já passou momentos difíceis aqui. Nos treinamentos, nós posicionamos o time, e funcionou, conseguiram chegar no gol. Achamos que poderíamos sair com um bom resultado. Quando achamos que o time estava muito recuado, tiramos o Marquinho, voltamos o Cícero e colocamos o Richarlison.

TIME:

– Conseguimos o gol em uma jogada de lado. Diminuímos a falta de proteção da área. Acho que eles conseguiram fazer muitas coisas. Mas em cima do resultado claro que fica faltando algo. Eles têm capacidade para melhorar, e temos que diminuir essa margem de erros na próxima partida. Com o decorrer dessa semana vamos poder corrigir. 

G-6 MAIS DISTANTE:

– Temos que fazer jogo a jogo, passo a passo. Queríamos hoje estar sorrindo. Vimos muitos torcedores, um ambiente criado para esse jogo. Os jogadores estão lamentando muito o resultado. Acreditávamos que sairíamos com a vitória. Não aconteceu, mas o importante é estarmos do lado deles, porque já temos outro compromisso.  Domingo vamos jogar contra o Eduardo (Baptista, técnico da Ponte Preta) lá. É uma equipe forte dentro da casa deles.

TREINO NO CT:

– Ano eleitoral sempre é muito difícil. Se estivéssemos nas Laranjeiras seria muita pressão. Acabou sendo importante a gente ir para o CT.

TIME MAIS PROTEGIDO:

– Encurtamos um pouco o espaço, estávamos precisando dar mais segurança para os nossos zagueiros. Acredito que essa semana ainda podemos melhorar mais e deixar o time mais equilibrado na parte defensiva e ofensiva.

CHANCE DE LIBERTADORES:

– Vamos ter que buscar o resultado fora de casa para gente poder trazer o torcedor de volta. Estamos muito tristes. A família de quase todos os jogadores estava aqui hoje. A gente não conseguiu dar esse prêmio para a torcida. È isso que sentimos mais. Por tudo que aconteceu, saímos com gosto de derrota.

TORCIDA DO FLUMINENSE:

– Acaba que valeria mais se a gente estivesse sorrindo agora com um resultado positivo. Falar da minha torcida é muito fácil. A recíproca é verdadeira. Fiquei emocionado e feliz. Faltou uma grande vitória.

FICHA TÉCNICA
FLUMINENSE 1 X 1 ATLÉTICO-PR

Data e horário: 15/11/2016, às 17h (horário de Brasília)
Local: Maracanã, em Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira (Fifa-SP)
Auxiliares: Miguel Cataneo Ribeiro da Costa (SP) e Herman Brumel Vani (SP)
Gols: Cícero, aos 26’/1ºT (1-0); Hernani, aos 16’/2ªT (1-1)
Cartões amarelos: Wellington Silva, Pierre e Wellington (FLU); Paulo André, Nicolas e Otávio (CAP)
Público/renda: 43.691 presentes (39.877 pagantes) / R$ 655.290,00

Fluminense: Júlio César; Wellington Silva, Gum, Henrique e William Matheus; Pierre, Edson (Osvaldo), Marquinho (Richarlison), Gustavo Scarpa, Wellington e Cícero (Douglas) – Técnico: Marcão.

Atlético-PR: Santos; Léo (Rafael Galhardo), Paulo André, Thiago Heleno e Nicolas; Otávio e Hernani; Lucas Fernandes (Marcos Guilherme), Lucho González (Nikão) e Pablo; André Lima – Técnico: Paulo Autuori.

 

Confira ainda:
Veja até quando vai o contrato dos jogadores do Fluminense
Campeão olímpico, Micale visita o Flu e elogia estrutura para formação de atletas    
Presidente do Fluminense afirma que novo estádio não inviabiliza Maracanã

Foto: Divulgação

Curtiu essa matéria? Siga o autor no Twitter: Allan Abi Madi – @allanmadi