Grêmio vence o Atlético-MG com autoridade e fica próximo de conquistar a Copa do Brasil

Grêmio x Atlético-MG
Foto: Lucas Uebel/Grêmio FBPA

Na noite dessa quarta-feira (23), no Mineirão, o Grêmio venceu o Atlético-MG por 3 a 1 e colocou uma mão e meia na taça de campeão da Copa do Brasil de 2016. Depois da vitória mais do que merecida, o Grêmio vai disputar a segunda partida na Arena Grêmio na próxima quarta-feira, 30 de novembro.

O técnico do Atlético ( MG ), Marcelo Oliveira, teve tempo para preparar a sua equipe para a primeira partida da final da Copa do Brasil mas o que vimos em campo foi uma equipe completamente desorganizada. Sem poder contar com Fred e com Luan, Marcelo Oliveira errou na escalação e no posicionamento dos jogadores dentro de campo.

LEIA MAIS: 

PRÊMIO TORCEDORES.COM DE JORNALISMO COLABORATIVO
Prêmio Torcedores.com terá sua 2ª edição em 2016

O Atlético ( MG ) entrou em campo com a seguinte formação: Victor; Carlos César, Erazo, Gabriel e Fábio Santos; Leandro Donizete, Júnior Urso e Cazares; Maiocosuel, Lucas Pratto e Robinho.

Sem conseguir se achar dentro de campo, o Atlético ( MG ) levou um banho de bola do Grêmio e o resultado poderia ser mais elástico. Os problemas do clube mineiro são os mesmos. Marcação frouxa, laterais sem força para apoiar e empurrar o oponente para sua área, zagueiros confusos e mal posicionados, linhas espaçadas, meio-campo que não marca e não cria, não tem um jogador que pense o jogo e dite o ritmo da partida, nervosismo, muitos passes errados, não consegue segurar a bola no ataque e confunde velocidade com pressa. Uma verdadeira bagunça.

Sem conseguir entender o que estava acontecendo dentro de campo, o Atlético ( MG ) foi amassado pelo Grêmio, não conseguiu ver a cor da bola, e correu os noventa minutos atrás dos jogadores do Grêmio.

Leandro Donizete e Júnior Urso tentando marcar sem conseguir bloquear os espaços, Cazares começou jogando pelo meio completamente disperso e errando muitos passes no momento de transição da defesa pro ataque, Maiocosuel pelo lado direito muito bem marcado, Robinho pelo lado esquerdo sem conseguir se desvencilhar da marcação e Lucas Pratto pelo meio sendo encaixotado pelos zagueiros do Grêmio.

Assistindo o passeio do Grêmio e estático, Marcelo Oliveira não fazia absolutamente nada para compactar a equipe e mudar o posicionamento de alguns jogadores. Depois que sofreu o primeiro gol, aos 29 do 1º tempo, marcado pelo garoto Pedro Rocha, o Atlético ( MG ), que já estava perdido dentro de campo, ficou desnorteado e os espaços que já existiam passaram a ser latifúndio. Era o momento de fazer uma substituição para recompor a marcação e equilibrar os setores. Quem soube aproveitar foi o Grêmio que teve mais duas oportunidades para ampliar o placar. A primeira Gabriel salvou em cima da linha e a segunda Victor fez uma brilhante defesa.

Quando todos esperavam que Marcelo Oliveira iria fazer uma substituição no intervalo do primeiro para o segundo tempo, o time voltou com a mesma formação e desorganização. Demorou apenas nove minutos para o Grêmio aproveitar a displicência do sistema defensivo do Atlético ( MG ) e fazer o segundo com Pedro Rocha.

O segunda gol fez com que Marcelo Oliveira lembrasse que tinha jogo no Mineirão. Substituiu o meia Cazares pelo atacante Clayton aos 13 do 2º tempo. A equipe passou a jogar com Clayton aberto pelo lado direito, Maicosuel aberto pelo lado esquerdo, Robinho e Lucas Pratto pelo meio e Fábio Santos mais adiantado e saindo do lado esquerdo pro meio para tentar surpreender os volantes do Grêmio.

Aos 22 do 2º tempo, o atacante Pedro Rocha foi expulso e o Atlético ( MG ) passou a jogar com um jogador a mais. Marcelo Oliveira fez as duas últimas alterações aos 26 do 2º tempo. Saiu o meia-atacante Maiocosuel e entrou o atacante Hyuri e saiu o volante Júnior Urso e entrou o lateral direito Marcos Rocha. Apesar da desorganização e de ter um jogador a mais, o Atlético ( MG ) partiu pra cima com Marcos Rocha e Hyuri pelo lado direito, Robinho e Clayton pelo lado esquerdo e cortando pro meio, Lucas Pratto pelo meio. Sem brilho, a equipe mineira atacava e, aos 36 minutos, o zagueiro Gabriel acertou um chute forte e indefensável no gol de Marcelo Grohe.

O gol deixou os torcedores esperançosos, mas, diante do Atlético ( MG ) estava uma equipe que se preparou para disputar a final e tinha no banco de reservas um técnico que sabia das deficiências do oponente. Enquanto o Atlético ( MG ) partia com tudo para marcar o gol de empate, o técnico do Grêmio, Renato Gaúcho, pedia tranquilidade e preparava a sua equipe para o contra-ataque.

O Grêmio entrou em campo com a seguinte formação: Marcelo Grohe; Edílson, Pedro Geromel, Kannemann e Marcelo Oliveira; Walace, Maicon, Ramiro e Douglas; Luan e Pedro Rocha.

Com a marcação dobrada e aproximada, o Grêmio tinha organização tática, padrão de jogo, tocava a bola com paciência e inteligência, errava poucos passes, os laterais saiam pro jogo e empurravam o sistema defensivo do Atlético ( MG ) para sua área, sem a bola as linhas se compactavam com facilidade, com a bola os jogadores se movimentavam e abriam espaços, com mais volume de jogo e troca de passes buscava o gol. A movimentação dos atacantes confundia a marcação do Atlético ( MG ) abrindo espaços para Douglas e Maicon circular com liberdade.

Renato Gaúcho, técnico do Grêmio, armou uma trinca de volantes com Walace e Ramiro recuados e Maicon mais livre. Douglas sem compromisso de marcar e ditando o ritmo da partida com muita inteligência. Luan e Pedro Rocha invertendo o posicionamento e criando um “ cripopo “ na defesa do Atlético ( MG ).

Depois da expulsão de Pedro Rocha (emocionante a imagem do jogador chorando antes de entrar no vestiário), Renato Gaúcho demorou 13 minutos para recompor o lado esquerdo e substituiu o meia Douglas pelo atacante Éverton aos 35 do 2º tempo. Éverton entrou para fechar o lado esquerdo da defesa e sair com velocidade no contra-ataque. O volante Ramiro foi substituído pelo volante Jailson aos 43 do 2º tempo. Depois de um ataque do Atlético ( MG ), o zagueiro Pedro Geromel saiu jogando com muita liberdade e cruzou para Éverton fazer o terceiro gol e sacramentar a vitória e talvez o título. A terceira substituição foi para parar a partida. Saiu o atacante Luan e entrou o zagueiro Fred aos 47 do 2º tempo.

A vitória do Grêmio foi merecida. A equipe jogou com raça, tranquilidade, eficiência e qualidade técnica.

Gostou do texto? Compartilhe com seus amigos o link da página de Rivaldo Pedregulho e, se for possível, envie comentários, sugestões e críticas.

https://www.facebook.com/rivaldo.pedregulho

@blogdorivaldo

rivaldopedregulho@gmail.com