Gerente do Corinthians pede tempo, mas não garante Oswaldo em 2017

Oswaldo de Oliveira
Daniel Augusto Jr - Agência Corinthians

Oswaldo de Oliveira começa a sentir a pressão da série de resultados negativos que vem acumulando no Corinthians. Em um mês de trabalho, o treinador conquistou uma vitória na estreia, três empates e duas derrotas – lembrando que as duas derrotas foram por quatro gols de diferença. Porém, o gerente de futebol Alessandro Nunes pede tempo para que o treinador possa implantar sua filosofia de trabalho.

LEIA MAIS
CONHEÇA OS FINALISTAS DO PRÊMIO TORCEDORES.COM DE MÍDIA ESPORTIVA 2016
PRÊMIO TORCEDORES.COM TERÁ A SUA 2ª EDIÇÃO EM 2016 – E COM NOVIDADES!
CHICÃO REVELA QUAL É SEU TIME DOS SONHOS DO CORINTHIANS

“Confio demais no trabalho do Oswaldo, espero que ele possa evoluir com os atletas, que principalmente os jogadores entendam que cada treinador tem uma ideia de trabalho e precisamos nos adaptar a elas”, declarou Alessandro à Rádio Transamérica, mas se esquivou da pergunta sobre permanência do treinador em 2017. “Não é fugir de dar uma resposta, mas entendo que esta não é uma pergunta que cabe no momento”, afirmou.

Contratado em 15 de outubro, Oswaldo possui aproveitamento de time rebaixado no clube e sofre com críticas de torcida e imprensa de que não tem feito o time jogar. Na visão do ex-jogador e agora cartola alvinegro, é prematuro analisar os primeiros 30 dias de trabalho do profissional.

“Muitas vezes a avaliação é precoce. Questionar, sim. Presidente, diretoria, todos nós estamos avaliando o trabalho, como até eu, gerente de futebol, tenho que ser avaliado pela diretoria e o presidente. Mas é preciso de um período e um tempo, não esperar passar 20, 30 dias e começar a questionar o trabalho. Nossa avaliação é diária, chegamos cedo no clube, fazemos questão de participar do trabalho, falar com a comissão técnica”, finalizou.

Durante a entrevista, o gerente de futebol do Timão afirma que é preciso tempo para que o time colha frutos do trabalho de Oswaldo, e evitou fazer comparação com os antecessores, Cristóvão Borges e Fábio Carille.

Com contrato até o fim de 2017, a chegada do treinador ao Corinthians foi uma decisão tomada, exclusivamente, pelo presidente Roberto de Andrade. Oswaldo chegou e Edu Ferreira entregou o cargo de diretor de futebol do clube, deixando claro que havia sido uma falta de respeito por não ter sido procurado para dar sua análise sobre o treinador.



Jornalista com passagens pelo Portal R7, Jornal do Trem, Impacto Comunicação, Dialoog Comunicação e Comunicale.