Flamengo pode terminar 2016 sem vitórias no Rio e com pior aproveitamento

Foto: Raphael Brauhardt/Coritiba

O Flamengo está próximo de garantir o G3 no Campeonato Brasileiro e confirmar a participação diretamente na fase de grupos da Libertadores de 2017. Porém, o Rubro-negro pode terminar o ano com quatro eliminações em mata-matas e pior, não vencer no Maracanã. Caso o time não vença o Santos, pela primeira vez terminará uma temporada sem vitórias na cidade do Rio. 

Claro, o Flamengo jogou apenas cinco partidas na cidade do Rio de Janeiro, em 2016. O Rubro-negro perdeu para o Vasco, 1 a 0, em São Januário, e empatou os outros quatro: dois com o Botafogo 3 a 3 e 0 a 0 e os demais com Corinthians 2 a 2 e Coritiba 2 a 2.

Leia mais:

APÓS MANIFESTAÇÕES DA TORCIDA, FLAMENGO DEIXA RENOVAÇÕES PARA DEPOIS DO BRASILEIRO
ZICO DETONA SEU TIME NA ÍNDIA APÓS MAIS UMA DERROTA: “ME SENTI UM LIXO”

 

 

O time do Flamengo deixou escapar vitórias contra o Botafogo e Coritiba, pelo Brasileirão. Contra os Alvinegros, o Rubro-negro ganhava por  3 a 1 e cedeu o empate e contra o time paranaense, a última partida no Maracanã, ganhava por 2 a 0 e sofreu o empate. Os torcedores saíram bem chateados, principalmente no duelo contra o Coxa.

O Flamengo  de 2016 teve cinco partidas no Rio. Foram quatro empates e uma derrota, com aproveitamento de 26,6%. Em 1993, foram 10 jogos – duas vitórias, dois empates e seis derrotas, com 30% de aproveitamento. Em 1929, 20 jogos – quatro vitórias, quatro empates e 12 derrotas, sendo 30% de aproveitamento. Em 1930, foram 20 jogos – seis vitórias e 14 derrotas, com 30% de aproveitamento.

É importante ressaltar que as partidas até 1994 valiam apenas dois pontos e não três como agora. Com isso, a campanha do Flamengo já é a pior dos últimos 104 anos de história e os jogadores lutam para não passar um ano sem vencer na cidade.

Dentro de seus 104 anos de história no futebol, o Flamengo tem seu pior aproveitamento em pontos numa temporada. Amanhã, contra o Santos, às 17h, é a última chance de vencer em casa e de quebra, tomar a vice-liderança.

 

 



Sou apaixonado por esportes e política. Escrever é minha paixão. A vida é muito intensa para ser editada em palavras!