Espetáculo x resultado: quando o Palmeiras abriu mão do “jogo bonito” para ser campeão

César Greco / Ag. Palmeiras

O Palmeiras está muito próximo de conquistar o título brasileiro e isso deverá acontecer no próximo domingo em jogo contra a Chapecoense, no Allianz Parque. Para a grande maioria da imprensa especializada e dos torcedores em geral, é a coroação da eficiência de um time que só perdeu uma vez em todo returno e liderou a competição por 27 rodadas. E olha que o Verdão também soube encantar o Brasil com um jogo bonito ao longo da competição. Mas pode-se perguntar: quando foi que Cuca mandou os jogadores pararem de dar espetáculo em prol da taça?

LEIA TAMBÉM:
Veja as promessas mais loucas que os torcedores do Palmeiras fizeram pelo título brasileiro
Mercado da bola 2017: Gabriel vê renovação estagnada com o Palmeiras
Após vitória, Alexandre Mattos faz apelo a Tite: “Dudu merece a seleção”

VÍDEO: Lesionado, Mina sai de campo chorando e comove torcida do Palmeiras
No Allianz Parque, torcida do Palmeiras vibra com gol do Cruzeiro sobre Santos; assista

O treinador fez questão de explicar, em entrevista coletiva após a vitória contra o Botafogo, que a equipe alviverde aprendeu a jogar pelo resultado no final do primeiro turno do Brasileirão. No pior momento do clube no Brasileirão – nas quatro últimas rodadas da primeira “perna” do torneio, o time tropeçou diante de Atlético-MG em casa e contra Botafogo e Chapecoense, ambas como visitante. Nesses três jogos, o Verdão conquistou apenas um ponto e chegou a perder a liderança para o Santos.

Só que, a partir do jogo contra o Vitória, pela 19ª rodada e última do primeiro turno, Cuca passou a mentalizar que a equipe teria que jogar de forma mais eficiente se quisesse quebrar o jejum de 22 anos sem vencer o Brasileiro.

“Até o jogo contra o Atlético-MG (no primeiro turno), o Palmeiras era um. Era um Palmeiras que jogava bonito, tranquilo, solto, com os garotos da base para entrar (…), porque era uma etapa do campeonato. Quando tivemos um momento ruim contra Galo, Botafogo e Chapecoense, fizemos um jogo decisivo contra Vitória. Ali a gente não tinha mais a confiança para fazer aquilo e aprendemos a jogar pelo resultado para ser campeão. Naquele momento, nós paramos de ser um time de espetáculo, de meninos que eram promessas, para um time que queria ser campeão. São dois estilos bonitos, aquele lá que jogava com naturalidade, e esse em que eles colocam a alma em campo. Aqueles meninos viraram homens dentro da competição”, explicou Cuca.

De fato, o Palmeiras do segundo turno adotou o estilo de precisão e de pouquíssimo erros. Prova disso é que a equipe de Cuca lidera a classificação também do returno com 38 pontos, de longe a maior pontuação do turno final da era do Brasileiro de pontos corridos (desde 2003). Na lista geral, o Verdão é o líder com 74 pontos, contra 68 do Santos, vice-colocado.

No próximo domingo, o Palmeiras irá garantir o nono título brasileiro com um empate. Mesmo se perder para a Chapecoense, o time alviverde pode selar a conquista caso o Peixe empate com o Flamengo, no Maracanã. São 98% de chances de taça para o Allianz Parque nas contas do matemático Tristão Garcia, do site Infobola.



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.