Ele encerrou a carreira em 2011 após desilusão na Ásia, mas cinco anos depois quer recomeço

Crédito da foto: Arquivo pessoal

Considerado uma das boas promessas do futebol no início da década de 2000, o desconhecido meia Heder Singulano despertava a atenção nos jogos. Revelado pelo América-MG, seu futebol o levou às seleções brasileiras de base e chegou a ser campeão do Mundialito Sub-17 em cima da rival Argentina, que tinha Tevez e Mascherano em campo, por exemplo.

VEJA MAIS
ESTADOS UNIDOS SÃO GOLEADOS PELA COSTA RICA E PÚBLICO ELEGE ‘CULPADO’: DONALD TRUMP

Heder Singulano foi campeão em 2000 pela seleção sub-17 - Crédito da foto: Arquivo pessoal
Heder Singulano foi campeão em 2000 pela seleção sub-17 – Crédito da foto: Arquivo pessoal

“Um título importante contra a Argentina de Tevez e Mascherano. Eu entrei em campo com a função de anular o Carlitos e fui bem-sucedido. Tenho muito orgulho de relembrar daquele momento”, recorda o meio-campista, que depois passou por clubes de São Paulo, como Comercial, Marília e Barretos.

Em 2008, um desafio diferente lhe fez trocar de país: o futebol do Cazaquistão. No desconhecido FC Ordabasy ele brilhou. Foi considerado o melhor estrangeiro naquele ano e entrou na seleção do campeonato local. Depois, foi emprestado ao Lok Stendhal (ALE) e voltou rapidamente após não-acerto financeiro com o clube alemão.

Em 2011, com 27 anos, veio seu pior momento e o abandono da carreira de forma precoce. Um problema com um ex-empresário lhe tirou o sonho de trabalhar com os pentacampeões Luiz Felipe Scolari e o meia Rivaldo no Bunyodkor, time emergente do Uzbequistão.

“Recebi uma proposta irrecusável do futebol do Uzbequistão, time na época dirigido pelo Felipão, onde atuava o Rivaldo, mas passei a negociação para meu empresário. Ele agiu de má fé, ofereceu outro jogador, fato que gerou uma grande insatisfação e a transação não foi concluída. Após este episódio eu perdi a motivação e decidi dar uma pausa na minha carreira”, desabafou.

Hoje, com 32 anos, Heder Singulano busca um recomeço e quer voltar aos campos profissionalmente, mesmo cinco anos depois de deixar a carreira. “Eu sempre me cuidei. Mesmo fora dos gramados eu nunca deixei de treinar. Durante a minha carreira, eu tive poucas lesões e nunca tive problemas em relação ao peso. Muitos amigos me incentivavam a voltar, mas eu não queria. Hoje a magoa passou, estou mais maduro e com gana de voltar”, projetou o jogador.

Agora, o foco é negociar com alguma equipe para o retorno ao que mais gosta: jogar futebol.

Veja a agenda esportiva da semana na televisão:

VEM AÍ O PRÊMIO TORCEDORES.COM DE JORNALISMO COLABORATIVO
Prêmio Torcedores.com terá sua 2ª edição em 2016
Conheça os finalistas do prêmio Torcedores.com de mídia esportiva 2016



Jornalista desde 2012, com passagens pelos jornais ABCD Maior e Diário do Grande ABC, além do canal NET Cidade. Atualmente como repórter colaborador no site Torcedores.com.