Dudu se reinventa como meia e desbanca até Lucas Lima na posição; veja números

Friedemann Vogel/Getty Images

Herói da vitória contra o Botafogo, Dudu é um dos principais jogadores do Palmeiras na temporada e também do Campeonato Brasileiro. O amadurecimento do jogador de 24 anos nos últimos meses foi tamanho que o técnico Cuca o fez capitão da equipe, tática que deu muito certo ao Verdão. O que chama atenção no atleta é que, além de seu talento como atacante, ele consegue mudar de função rapidamente, característica que complica ainda mais a leitura dos adversários.

LEIA TAMBÉM:
WTorre frustra planos de Paulo Nobre em comprar estádio do Palmeiras
Torcedores do Palmeiras ironizam Lucas Lima na web: “Isso é tudo vontade de jogar no Verdão?”
Bastidores: entenda como Palmeiras orquestrou “chapéu” nos rivais por Dudu em 2015
Palmeiras acerta com o Esporte Interativo para TV fechada, diz jornal
Dirigente do São Paulo não descarta transferência de Michel Bastos ao Palmeiras

Contratado no início de 2015 para jogar aberto pelas pontas, Dudu passou a atuar mais recuado com Cuca – principalmente quando Gabriel Jesus joga aberto pelas pontas ao lado de Róger Guedes – e se adaptou muito bem à nova função. O camisa 7 já era familiarizado com o setor já que atuava como meia sob o comando de Marcelo Oliveira no ano passado, só que os números de 2016 são impressionantes.

Ao comparar os números dos principais meias do Brasileirão, como Lucas Lima, do Santos e da seleção brasileira, Dudu se destaca. O camisa 7 já deu 10 assistências e é o maior garçom da competição nacional, ao lado de Gustavo Scarpa, do Fluminense. Além disso, o meia-atacante deixou os companheiros em condição de finalizar 84 vezes e só é superado no torneio pelo camisa 10 do Tricolor Carioca.

Outro número que chama atenção é a quantidade de faltas sofridas. Dudu foi parado pelos adversários com infrações 109 vezes em 32 jogos, o que lhe torna o meia mais caçado do torneio, atrás apenas do atacante Marinho, do Vitória (126).

Apesar de mudar um pouco de característica para atuar mais recuado, Dudu não deixou as suas principais qualidades de lado: o drible e o faro de gol. No Brasileiro, o jogador balançou as redes seis vezes e é o vice-artilheiro do Verdão, atrás de Gabriel Jesus (12). Os únicos meias que têm mais tentos que ele são Gustavo Scarpa (8) e Cueva (7), do São Paulo. Lucas Lima só balançou a rede dos oponentes duas vezes no Brasileiro.

Em relação aos dribles, o camisa 7 do Palmeiras já deixou os seus adversários para trás 25 vezes e, dentre os principais meias da competição, só perde para Cueva, que tem 32 dribles corretos. Lucas Lima vem bem atrás com 12 fintas certas.

Veja números comparativos entre Dudu e Lucas Lima:

Jogos
Dudu – 32
Lucas Lima – 23

Gols
Dudu – 6 / média de 0,19 por jogo
Lucas Lima – 2 / média de 0,09 por partida

Assistências
Dudu – 10 / média de 0,31 por jogo
Lucas Lima – 4 / média de 0,17 por partida

Assistências para finalização
Dudu – 84 / média de 2,63 por jogo
Lucas Lima – 46 / média de 2 por partida

Faltas sofridas
Dudu – 109 / média de 3,41 por jogo
Lucas Lima – 63 / média de 2,74 por partida

Dados: Footstats
Dados: Footstats

Até no quesito comportamental, um dos principais problemas de Dudu em 2015, mas que já foi solucionado neste ano, a diferença é gritante. Durante o Campeonato Brasileiro, o palmeirense levou apenas cinco cartões amarelos e nenhum vermelho. Já Lucas Lima, no entanto, recebeu nove amarelos e foi expulso uma vez. Isso porque o camisa 7 do Verdão entrou em campo nove vezes a mais que o santista.

Os dois últimos gols de Dudu no Allianz Parque, marcados contra o Sport, pela 32ª, e Botafogo, pela 36ª rodada, o transformaram no maior goleador do estádio, com 12 bolas na rede em 49 apresentações, superando os companheiros Gabriel Jesus e Rafael Marques, e o ex-jogador do Palmeiras, Cristaldo, que têm 11 tentos.

Por apresentar tais números, Dudu ganhou “lobby” do diretor de futebol Alexandre Mattos para ser convocado por Tite para a seleção brasileira em 2017. Vale lembrar que o meia-atacante nunca fez parte do grupo principal canarinho, mas foi campeão mundial Sub-20 em 2011 ao lado de Neymar, Lucas, Oscar e Casemiro.



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.