Dirigente do São Paulo não descarta transferência de Michel Bastos ao Palmeiras

Michel Bastos
Foto: Rubens Chiri/ saopaulofc.net

Sem espaço no São Paulo, Michel Bastos está à procura de um novo clube, ou melhor, o próprio Tricolor está vendo as possibilidades de mercado para o jogador de 33 anos. Apesar de ter contrato com o clube do Morumbi até o fim de 2017, o meia não tem mais clima para continuar no CT da Barra Funda, porém pode ser que o atleta fique na região, só que do outro lado do muro.

LEIA TAMBÉM:
Palmeiras acerta com o Esporte Interativo para TV fechada, diz jornal

Palmeiras negocia com Alejandro Guerra e deve ter SETE reforços para 2017
Bastidores: entenda como Palmeiras orquestrou “chapéu” nos rivais por Dudu em 2015
No Palmeiras, Alexandre Mattos faz apelo a Tite: “Dudu merece a seleção”
Baixa audiência da Globo em SP para jogos do Palmeiras não é por acaso; entenda

Em entrevista ao jornal “O Estado de S. Paulo”, Marco Aurélio Cunha, diretor executivo do Tricolor voltou a defender que Michel tem potencial para ser negociado e não descarta uma possível transferência para os rivais, entre eles o Palmeiras, seu vizinho de CT.

O Verdão sondou o jogador no meio do ano para uma troca com o atacante Rafael Marques, reserva da equipe de Cuca. As conversas não vingaram, mas quem sabe agora não retornam com mais força

“Com toda honestidade, não vejo problema nisso. O jogador não deu certo aqui e pode dar em um rival. O Danilo está lá (no Corinthians)) e sou amigo dele, o Pato veio para cá. O Jadson foi para lá (Corinthians). Temos de deixar de lado esse aspecto passional para fazer um futebol melhor. Tem de trocar jogadores com Palmeiras, não tenho preconceito com isso”, avisou Cunha.

Para o dirigente, Michel pode dar a volta por cima em um novo clube em 2017. De acordo com o site Transfermarkt, o valor de mercado do jogador, ex-seleção brasileira e PSG, é de 3,5 milhões de euros (cerca de R$ 12,5 milhões na contação atual).

“Ele tem muito nome, é um jogador excelente. O problema dele com torcida e o rendimento abaixo por questões pessoais passam quando se muda de clube. Muito atleta renasce em outro lugar. Eu sempre falo que nunca se deve subestimar um jogador. Às vezes está mal em um clube, muda de camisa, e vira monstro. Não é para reclamar de quem liberou, é para ficar contente, pois merece seguir a vida dele”, explicou Cunha.



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.