Decisão em casa: Grêmio obtém efeito suspensivo e jogará final na Arena

Grêmio
Crédito da foto: LUCAS UEBEL/GRÊMIO FBPA

Para alívio dos tricolores, o departamento jurídico do Grêmio obteve uma importante vitória nesta quinta-feira junto ao STJD e devolveu a final da Copa do Brasil contra o Atlético-MG à Arena, em Porto Alegre, no dia 30 de novembro. O clube conseguiu um efeito suspensivo junto ao tribunal e obteve a liberação do estádio para a grande decisão contra os mineiros.

Sendo assim, a perda do mando de campo durou menos de 24h. Na quarta, o STJD optou por tirar um mando do Grêmio e aplicar mais uma multa de R$ 30 mil reais por conta da “invasão” de Carol Portaluppi no gramado da Arena após o empate em 0x0 contra o Cruzeiro, pela semifinal da Copa do Brasil. A decisão do tribunal revoltou os torcedores gremistas e a diretoria considerou “exagerada”.

O auditor do STJD, Otávio Noronha, foi o responsável por analisar o recurso enviado pelo Grêmio nesta quinta-feira. O pedido de efeito suspensivo foi preparado pelo advogado Gabriel Vieira, que mais cedo manifestou sua esperança em uma rápida resolução do órgão. “A questão pode sim ser definida nesta quinta-feira. Em geral, as decisões de recursos são céleres, pedidos de efeito suspensivo especialmente. Tempo hábil ainda há, aguardemos o que o Tribunal vai decidir”, havia dito Vieira.

Com a nova decisão, o Grêmio pode retomar a comercialização de ingressos para o jogo do dia 30 contra o Atlético-MG. Sobre o episódio envolvendo a entrada da filha de Renato Gaúcho no gramado, ainda não há data para o julgamento no Pleno, última instância nacional.

No site oficial, o STJD confirmou a liberação do estádio do Grêmio a partir do efeito suspensivo:

“Sorteado Relator do processo do Grêmio no Pleno, o Auditor Otávio Noronha deferiu na tarde desta quinta, dia 17 de novembro, o pedido integral de efeito suspensivo contra a perda de mando de campo e multa de R$ 30 mil pela invasão de campo na semifinal da Copa do Brasil. Com a decisão, a pena aplicada pela Comissão Disciplinar fica suspensa até que o recurso seja julgado e concluído no Pleno, última instância nacional. Ainda não há dará prevista para o julgamento.”



Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Fã de esportes, sobretudo tênis. Colorado por paixão, jornalista por vocação e tenista por opção.