Cuca faz contas pelo título do Palmeiras e ressalta equilíbrio do Brasileirão

cuca
César Greco - Agência Palmeiras

O Palmeiras está cada vez mais próximo de se sagrar campeão brasileiro. Após a vitória de hoje, por 1×0 sobre o Botafogo, o alviverde pode confirmar o título com um empate e até mesmo com uma derrota contra a Chapecoense, dependo do resultado do jogo entre Flamengo e Santos. Após a vitória deste domingo, o técnico Cuca revelou quais suas contas na reta final da competição e elogiou o nível de disputa do Campeonato Brasileiro.

LEIA MAIS:

CUCA DESTACA MATURIDADE DO PALMEIRAS E VÊ TIME PRONTO PARA SER CAMPEÃO

PALMEIRAS X BOTAFOGO: ASSISTA O GOL DA PARTIDA

NOBRE COMEMORA ‘DEVER CUMPRIDO’ E RESSALTA EMOÇÃO DE TORCER PARA O PALMEIRAS

 “O empate hoje não era de todo ruim. Nas contas que eu tinha feito, a gente precisava de quatro pontos. Podia ser um hoje e três domingo ou três hoje e um domingo, como acabou sendo. Mas você não pode jogar por aquele ponto, porque uma bola tira aquele ponto. Então você tem que tentar os três pontos.”

Com 74 pontos na tabela, o Palmeiras tem 6 de vantagem para o Santos,que empatou com o Cruzeiro na rodada e sete para o Flamengo, que empatou com o Coritiba.

“Como que vai ser campeão com os ‘pés nas costas’ em um campeonato que você tem o Flamengo, o Santos, o Atlético, o Corinthians, Grêmio, que são equipes iguais a você. Então a gente fazendo o que está fazendo… eu não lembro de um campeonato em pontos corridos que o segundo e o terceiro colocado fizessem tantos pontos assim. Os outros que o Cruzeiro ganhou e o próprio Corinthians, o segundo colocado estava há oito, sete pontos.”

Confira o que treinador palmeirense falou em sua entrevista coletiva

Tensão na beira do gramado

“Agora falta um ponto, mas lá dentro do jogo, em um empate, é muito curta a margem de erro. É um erro que você tem atrás e o Botafogo faz o gol, você perde. E aí a diferença cai por uma rodada. Por um ponto. E aí as coisas vão ficar muito difíceis, porque, provavelmente, o último jogo com o Vitória, vai ser um jogo que vai valer e a vida do Vitória e do Inter. Então é muito curta a margem de erro e todas essas coisas vão passando dentro da tua cabeça e você tem que passar para o jogador a confiança. Não é fácil.”

Atuação do volante Moisés

“O Moisés é muito valente. É outro jogador polivalente, que faz função de segundo volante, meia e de primeiro volante. Está com uma vontade enorme de sair campeão e fez uma grande partida. Acho que a exemplo de toda a equipe que jogou bem.”

Superstições de Paulo Nobre e Cuca

“Se tivesse sido campeão ano passado ele soltaria o grito agora. Daí já está com confiança… Não estamos com essa confiança. Tem muitos anos que não se ganha esse título. Muitos desses torcedores que estavam aqui não viram o Palmeiras campeão brasileiro, viram da Copa do Brasil. Esse é um peso grande, é um fardo grande, que esses jogadores estão carregando, com um índice de erro curtíssimo.”

“Essa ansiedade que o Palmeiras vive faz com que venha uma pressão muito grande para campo. E eu entendo perfeitamente porque a gente trabalha com isso há tempo e eles (jogadores) mesmo assim estão dando conta do recado, estão passando situações diferentes durante o jogo e estão ganhando com maturidade.”

Vitórias apertadas nas últimas rodadas e conquistas de título de Cuca com sofrimento, como aconteceu na Libertadores vencida pelo Atlético-MG

“Nos últimos 19 jogos nos perdemos 1, para o Santos. Olha que regularidade tem o Palmeiras. Dezenove jogos e perdeu uma, empatou quatro, por aí e ganhou todas as outras. É uma regularidade de um time que está pronto para ser campeão. Quem é a melhor defesa do campeonato? Quem é o melhor ataque do campeonato? Quem é o melhor público? Então é uma série de coisas que vão te dando a certeza de que o caminho está certo.”

“A gente ganha, ganha, ganha e o pessoal está aqui (perto do Palmeiras), chato, sem deixar ser campeão. Então não é culpa do sofrimento do Cuca. Quisera Deus me dar sempre sofrimento e no final sempre ser campeão.”

Processo emocional para o jogo contra o Botafogo e sentimento de ‘leveza’

“Não to leve ainda, porque não relaxei ainda. Vai relaxar depois (do final do campeonato), tranquilo, com o tempo. Amanhã eles (jogadores) estão de folga. Terça-feira já vamos trabalhar para essa partida importante contra a Chapecoense.”

Substituições feitas

“Hoje era um jogo complicado para a gente e as mexidas que fazemos durante o jogo, não é a mexida que o torcedor quer e que o próprio jogador espera. O último jogo, o Edu Dracena foi titular e hoje ele não entrou, então ele tem todos os motivos do mundo para estar sentido, mas a confiança que eu tenho nele é muito grande.”



Estudante do 8º semestre de jornalismo e amante dos esportes, principalmente o bom e velho futebol. Setorista de Atlético-MG e Futebol Feminino.