Capitão do Cruzeiro fala da honra de defender a Raposa e vislumbra um 2017 melhor

Washington Alves/ Light Press/ Cruzeiro

O Cruzeiro terá mais dois compromissos até o fim do Campeonato Brasileiro de 2016. O time celeste ainda joga contra Internacional e Corinthians nas duas últimas rodadas da competição. Embora o momento seja de clima de despedida, o volante e capitão Henrique destacou a grandeza e quer honrar a camisa do time celeste, além de vislumbrar uma temporada de 2017, bem melhor que a desse ano.

Leia mais:

MANO ANALISA JOGADORES DO CRUZEIRO QUE VOLTAM DE EMPRÉSTIMOS EM 2017
OPINIÃO: CRUZEIRO EMPATA COM SANTOS E FICA SEM PRETENSÕES NO BRASILEIRO

 

 

“Nós temos que honrar esta camisa [Cruzeiro], que tem história e tradição, e os torcedores. Quando entramos em campo, eles querem sempre a vitória. Todos os dias nós somos testados e temos que provar nosso valor. A cada momento em que você vai para o jogo ou para o treinamento você está sendo testado e observado. Temos que fazer o nosso melhor sempre, independente das situações ou circunstâncias, e nos dedicar, porque representamos um time muito grande”, destacou.

Para Henrique, o ano de 2016 foi de muito aprendizado para o Cruzeiro e pede que cada um avalie o que aconteceu para que frutos bons sejam colhidos em 2017.

“Não podemos esquecer, porque nos traz muitos ensinamentos e aprendizado. Que sirva de lição para não cometermos os mesmos erros. Vamos lutar, buscar, trabalhar e se organizar para termos um bom 2017, entrar a temporada da melhor forma possível, para ser um ano de conquistas,” ressaltou o capitão do Cruzeiro.

Por fim, o camisa 8 elogiou o comandante do Cruzeiro e a forma como conduz o elenco. Com 48 pontos, o time celeste depende de uma combinação improvável para conseguir uma vaga na Libertadores de 2017. “O ambiente é muito importante e depende da condução do comandante. O Mano faz isso muito bem. Ele é um cara na medida certa, rígido na hora que precisa ser, mas também que brinca na hora certa. Não é fácil lidar com mais de 30 jogadores, cada cabeça pensa de um jeito.”

 

 



Sou apaixonado por esportes e política. Escrever é minha paixão. A vida é muito intensa para ser editada em palavras!