Antes de decidir Copa do Brasil, Renato polemiza: “Joguei mais que o CR7”

Renato Portaluppi
Crédito da foto: Divulgação/ Lucas Uebel/ Grêmio

Confiança em alta nunca faltou na carreira de Renato Gaúcho, seja nos seus tempos de jogador ou agora como técnico profissional. Antes de iniciar a decisão da Copa do Brasil contra o Atlético-MG, o treinador gremista deu uma polêmica entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, onde criticou os treinadores brasileiros que fazem intercâmbio na Europa e garantiu que jogou mais que Cristiano Ronaldo, astro do Real Madrid e do futebol mundial.

LEIA MAIS:

Galvão Bueno e Muricy se rendem a Douglas: “É o nosso último camisa 10”

Reservas do Grêmio brilham na Arena e torcida manda recado para o Inter

Para se dizer melhor que o craque português, Renato se ampara na diferença de épocas do futebol. Segundo ele, Cristiano Ronaldo nunca precisou enfrentar gramados esburacados, zagueiros sem antidoping e sempre esteve com os melhores do mundo ao seu redor.

“Ele é um dos melhores do mundo, mas eu joguei mais. Queria vê-lo jogar na minha época aqui com quatro, cinco meses de salários atrasados, gramados esburacados, Libertadores sem exame antidoping e sem os melhores do mundo do meu lado. Jogar lá na Espanha, ganhar o que ele ganha, jogar uma vez por semana, aí eu queria ver onde eu chegaria”, disparou o treinador do Grêmio.

O técnico do Grêmio criticou os colegas que vão à Europa “se aperfeiçoar”, ficam pouco tempo e voltam como fotos ao lado de jogadores e treinadores badalados. Segundo Renato, para que se aprenda alguma coisa, seria necessário “dois ou três meses de estágio”. Ele admitiu que gosta de José Mourinho e Pep Guardiola, mas faz ressalvas aos dois e coloca Tite no topo.

“O Tite é o melhor do mundo. O Mourinho e o Guardiola estão entre os melhores, mas também trabalham com o que pedem, montam uma seleção. Já o brasileiro trabalha com o que tem. Quando aparece um bom, já é vendido. Quais as dificuldades que o Guardiola e o Mourinho passaram para montar time? Eu queria que esses técnicos viessem treinar nossos times aqui com o nosso calendário, com os salários atrasados”, acrescentou.

Feliz no Grêmio, clube pelo qual brilhou como jogador, Renato garante que não iria para a Europa mesmo em caso de uma boa proposta. “Se fosse convidado, não iria. Estou super bem aqui no Brasil”. Reeleito recentemente como presidente do Grêmio, Romildo Bolzan Jr garante que deseja a permanência de Renato para 2017. Após a final da Copa do Brasil, a tendência é um acerto entre as partes.

 

 



Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Fã de esportes, sobretudo tênis. Colorado por paixão, jornalista por vocação e tenista por opção.