Alecsandro diz que imprensa foi cruel em suposto doping: “Minha família sofreu mais que eu”

Palmeiras Alecsandro
Crédito da foto: Divulgação/ Cesar Greco/ Palmeiras

O atacante do Palmeiras Alecsandro é destaque na edição atual da Placar. Em entrevista à revista, o jogador falou sobre o suposto caso de doping, do qual ele foi inocentado. Segundo o atleta, o tratamento dado pela imprensa foi cruel e fez com que até sua família sentisse as consequências.

PRÊMIO TORCEDORES.COM DE JORNALISMO COLABORATIVO
Prêmio Torcedores.com terá sua 2ª edição em 2016
Conheça os finalistas do prêmio Torcedores.com de mídia esportiva 2016

“Minha esposa é atleta também, então ela evitava ir para a academia para não ser julgada como esposa de um cara que havia supostamente usado anabolizante, como esteve em todas as manchetes durante dois dias, assim como meu filho. Creio que minha família sofreu muito mais que eu. A imprensa nesse sentido é muito cruel”, disse o atacante.

O camisa 29 do Palmeiras frisou ainda que o caso ficou por mais de 28 horas nos sites, inclusive com o nome da substância anabolizante. Segundo ele, o mesmo não aconteceu no caso de Arouca, quando o doping apareceu em uma injeção corticoide, que é usada em casos de lesão. “A imprensa quer vender. E infelizmente vender notícia ruim. Por que ela não colocou que eu fui pego no antidoping apenas?”, questionou.

Ao receber a notícia, Alecsandro ficou confuso, pois sabia de sua inocência. “A primeira coisa que perguntei foi se não tinha confundido o nome”, contou.

Ele foi punido após ser ‘flagrado’ em um exame antidoping. Depois de uma partida contra o Corinthians, em abril, foi encontrado o agente anabolizante Andarine em seu organismo. O jogador foi suspenso por dois anos, mas conseguiu provar sua inocência na Agência Mundial Antidoping (Wada). Na realidade, a substância presente no corpo do atleta era resultado de uma interação metabólica da flutamida, que estava na loção que o atacante usou contra a calvície.

Agora feliz e com 35 anos, Alecgol ainda não pensa em se aposentar. “Pelo que eu entendo do meu corpo, atuando em alto nível, hoje eu te diria que jogo ainda entre dois e quatro anos em grandes clubes do Brasil”.



Paulistano, estudante de jornalismo, 19. Foi estagiário do Torcedores.com.