Santa Cruz oferece Grafite, mas Santos vê empecilhos

Santa Cruz
Crédito da foto: Antonio Melcop / Site oficial Santa Cruz

De acordo com informações do Globoesporte.com o Santa Cruz ofereceu Grafite ao Santos, com 37 anos o centroavante briga pela artilharia do campeonato, Dorival Jr. e Modesto Roma gostam do jogador, mas só isso não é o suficiente.

Leia mais:

GRAFITE SOBRE SUPOSTO PÊNALTI: “TENTEI CAVAR, MAS O ÁRBITRO NÃO FOI NA MINHA”

GRAFITE GARANTE PERMANÊNCIA NO SANTA CRUZ ATÉ O FIM DE SEU CONTRATO

GRAFITE AFIRMA MOTIVAÇÃO POR BRIGAR PELA ARTILHARIA COM AUSÊNCIA DE GABRIEL JESUS NO PALMEIRAS

Diversas questões fizeram com o que o Santos não demonstrasse interesse em Grafite. Para 2017 eles já pretendem contar com Ricardo Oliveira e Rodrigão. Além disso, o salário do jogador que é alto.

Ainda de acordo com a publicação, com salários atrasados, o jogador que defendeu a seleção brasileira na Copa do Mundo de 2010 está insatisfeito no Santa Cruz, que ocupa a penúltima posição da tabela do Brasileirão e está muito perto de ser rebaixado no Campeonato Brasileiro. O contrato do atacante com o clube pernambucano vai até o fim de 2017.

Grafite santos
Foto: Divulgação/SCFC

Na semana passada, o jogador chegou a dizer em entrevista que cumpriria seu contrato. “Isso aí não me preocupa. Renovei meu contrato até o final de 2017. Não tem cláusula de Série B ou Série A. Sei muito bem as dificuldades do clube. Alírio (Moraes, presidente) sempre me disse que pode aparecer algum negócio para mim, pela experiência que eu tenho. Até por eu ser mais velho, ter o maior salário do grupo, pode prejudicar (os planos do clube, que passa por uma péssima situação financeira)… Mas se o Santa Cruz me quiser, eu fico. Não tem nada específico de se cair ou não”, disse o jogador.

Mesmo se Ricardo Oliveira sair até janeiro na janela de transferências, Vladimir Hernández, atacante do Junior Barranquilla, chega também em janeiro e deve assinar contrato por cinco anos.



Formada em jornalismo pelo Mackenzie, demorei anos para perceber que dá, sim, para ir atrás dos sonhos e trabalhar com o que se gosta: o esporte. Hoje me divido entre o esporte e a política. Nunca vou me conformar com os que dizem: "É só futebol.."