Opinião: Poupar na Copa do Brasil? Um ou outro jogador, não a maioria

Palmeiras
Foto: Reprodução

Atual campeão da Copa do Brasil, o Palmeiras não parece estar muito focado em buscar o tetracampeonato. Nesta quarta-feira, o Verdão vai encarar o Grêmio pelo jogo de volta das quartas de final da competição, precisando reverter o resultado negativo obtido no Sul do país há algumas semanas.

Porém, se o palmeirense que vai ao Allianz, ou que assistirá o jogo pela TV esperava força máxima para buscar a classificação, está engano. O técnico Cuca já havia falado sobre a possibilidade de utilizar um time misto ou reserva, caso os jogadores não apresentassem que estivessem bem fisicamente. Dito e feito. Um time quase inteiro reserva deve ir a campo nesta quarta.

A lista de relacionados divulgada no site do Verdão não tem Mina, Vitor Hugo, Tchê Tchê, Moisés, Dudu e Róger Guedes, titulares da campanha que o Palestra faz no Brasileirão. Jaílson, Zé (que não participou do último jogo) e Gabriel Jesus (que não participará do próximo) são os únicos titulares relacionados.

A justificativa é óbvia. Não quer desgastar jogadores para as partidas do Brasileirão. Mas por que a preocupação chegou só agora, no jogo mais importante da competição, até o momento? O Verdão encarou o Botafogo da Paraíba no jogo de ida com o time titular, sendo que vinha de um confronto no Brasileiro e faria outro dias depois. No jogo da ida das quartas, também, contra o mesmo Grêmio. Agora que a fase chega em sua reta final, mandar força máxima seria essencial.

Conquistar a dobradinha seria a maneira de fechar o ano com chave de ouro, ainda mais que o Palmeiras é o atual campeão da Copa do Brasil. Seria o primeiro time na história a conquistar a competição duas vezes seguidamente.

Poupar alguns jogadores que estejam mais desgastados pela temporada que tiveram, como Vitor Hugo e Tchê Tchê, que vem jogando a temporada inteira, sem descanso, é compreensível. Moisés que teve problemas de lesão, talvez. Poupar alguns que realmente precisam ser poupado é normal, como Zé Roberto foi na semana passada.

O time inteiro, ou quase todo, não. O Palmeiras encara o Sport no domingo, no Allianz Parque. Não terá que fazer viagem, não terá concentração fora de casa. Fossem jogos fora de casa, os dois, a situação seria diferente, mas em casa o time tem que ser sempre o melhor possível. Além disso, a vantagem no Brasileiro aumentou. É a prioridade, mas não é necessário abdicar de uma competição para ser campeão da Série A. Dá para levar as duas, fazendo uma alteração ou outra no time titular quando algum jogador precisar ser substituído.

Mesmo com reservas como Allione e Cleiton, que não vivem boas fases no time, é possível imaginar uma classificação, por dependerem de uma vitória simples para avançar e da força do Allianz Parque lotado como sempre. Será mais complicado, mas é possível. A questão que fica é: por que o time não foi poupado nos jogos contra o Botafogo-PB e Grêmio e agora sim? A circunstância era a mesma. Agora seria o momento de usar força máxima.



Jornalista formado pela FIAM FAAM. Apaixonado por futebol independente do país ou divisão. Setorista do Inter e esportes olímpicos. Contato: mohamed.nassif12@hotmail.com