OPINIÃO: Palmeiras não podia abdicar da Copa do Brasil

Palmeiras
César Greco / Ag. Palmeiras

Atual campeão da Copa do Brasil, a eliminação do Palmeiras na competição da temporada 2016 foi justa. Uma derrota onde o time não foi bem no Sul e um empate numa partida equilibrada em São Paulo. O que se podia fazer dentro de campo foi feito. A questão que ficará é: dava para o Palmeiras defender o título e buscar o bicampeonato.

Cuca preferiu colocar um time alternativo para encarar o Grêmio no Allianz Parque para poupar jogadores para o Brasileirão. É compreensível ao analisar que o Verdão prioriza o Campeonato Brasileiro. Mas o que o Palestra Italia fez foi praticamente abdicar da competição da qual é tricampeão e poderia se igualar a Cruzeiro e Grêmio ao conquistar o tetra.

O elenco montado em 2015 e melhorado em 2016 é absolutamente forte para buscar dois títulos. Mas o fato de ser um elenco que pode-se buscar dois títulos não significa que em um campeonato deve-se jogar com os titulares e em outro com os reservas. A ideia de se ter um grande elenco é utilizar os reservas quando os titulares não estiverem em condições e manter o alto nível de futebol da equipe e por isso o Palmeiras vinha se destacando no Brasileirão.

Poderia usar o que tem de melhor na Copa do Brasil nesta última quarta. Poucos deveriam ser poupados e se um ou outro se machucasse (o que pode acontecer em qualquer partida), um reserva poderia o substituir bem. Não era necessário usar um time reserva para “proteger” os titulares.

Sem a Copa do Brasil, o Palmeiras só terá o Brasileirão, que se tornará uma obrigação de título, por tudo dito desde o começo do campeonato (que o clube seria campeão) e pela eliminação na Copa. É a última esperança de título para o Palmeiras no ano.

A Copa do Brasil não é mais importante que o Brasileirão, mas teria uma importância histórica caso o campeão fosse o Palmeiras. Pela primeira vez um clube poderia conquistar o bicampeonato do torneio, sem contar que o clube poderia fazer a dobradinha (conquistar a Copa do Brasileiro), coisa que não acontece desde 2003.

 



Jornalista formado pela FIAM FAAM. Apaixonado por futebol independente do país ou divisão. Setorista do Inter e esportes olímpicos. Contato: mohamed.nassif12@hotmail.com