Opinião: 5 razões para a eliminação do Corinthians para o Cruzeiro

Foto: © Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

O Corinthians foi derrotado pelo Cruzeiro por 4 a 2 na noite da última quarta-feira, no Mineirão, e parou nas quartas de final da Copa do Brasil. A equipe não tem mais nenhuma chance de título em 2016 e a partir de agora focará as suas atenções na conquista de uma vaga à Libertadores via Brasileirão.

LEIA MAIS: 
Fagner se irrita com arbitragem e detona: “A gente ia bater lateral e não tinha bola” 
Após eliminação, Oswaldo promete Corinthians mais agressivo por vaga no G-6 

A Raposa abriu o placar no início do primeiro tempo com Ábila, mas tomou o empate com Rodriguinho. Na etapa final, o time anfitrião conseguiu a classificação com gols de Ábila, Bruno Rodrigo e Arrascaeta.

Veja as cinco razões para mais uma eliminação corintiana na temporada:

1 – Vacilo de Fagner – O lateral-direito falhou feio na jogada que originou a jogada do primeiro cruzeirense. Rebateu mal a bola, que sobrou nos pés de Rafael Sobis. O atacante acionou Arrascaeta, que cruzou para Ábila estufar as redes de Walter.

2 – Gol incrível perdido por Guilherme – O placar apontava 1 a 1, o que dava a classificação alvinegra. Aos 10 minutos ocorreu o lance mais emblemático da partida. Rodriguinho, o melhor em campo, bateu cruzado, Rafael deu rebote, e Guilherme, de frente para o gol, pegou mal na bola e chutou para o fora. O segundo gol corintiano naquele momento obrigaria o Cruzeiro a fazer a mais três gols para evitar a eliminação. Dificilmente, a Raposa teria forças para reagir. Instantes depois, Arrascaeta partiu para o contra-ataque e foi derrubado por Pedro Henrique dentro da área. Ábila converteu a cobrança de pênalti.

3 – Liberdade para Bruno Rodrigo no jogo aéreo – O Cruzeiro fez o terceiro gol com Bruno Henrique, de cabeça. A defesa alvinegra deu mole e não acompanhou os movimentos do zagueiro.

4– Descontrole emocional dos jogadores – Após o terceiro gol o time se descontrolou. Jogadores se irritaram com a arbitragem e com a cera dos adversários.

5 – Ótimas atuações de Arrascaeta e Ábila – Não dá para tirar o mérito cruzeirense na vitória. O meia uruguaio saiu do banco logo no início de jogo após Rafinha sentir lesão. Arrascaeta fez gol, deu assistência e cavou o pênalti. Fez um verdadeiro carnaval na defesa alvinegra. O atacante argentino, que já havia aprontado no primeiro turno do Brasileirão com o gol de empate no Pacaembu, fez dois gols no Mineirão.



Rafael Alaby é jornalista diplomado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado), com passagens pela Chefia de Reportagem de Esportes, da TV Bandeirantes, em São Paulo e site KiGOL. Pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte (FMU)