Falcão diz que Leão o boicotou no São Paulo e Rogério Ceni fez lobby por sua volta

falcao
Divulgação/saopaulofc.net - Falcão tentou jogar no Palmeiras, Portuguesa e São Paulo. No último até teve mais oportunidades claras, mas um atrito com Emerson Leão fez o craque voltar ao futsal

Falcão foi o convidado do Resenha ESPN deste domingo, e dentre tantos assuntos relembrou sua passagem pelo São Paulo, uma das suas tentativas de ir para o futebol de campo. O camisa 12 falou sobre o atrito que teve com Emerson Leão e que o até Rogério Ceni pediu para que o jogador voltasse para o Tricolor.

LEIA MAIS
DIEGO EXALTA SÃO PAULO E MORUMBI E ABAFA POLÊMICA COM SÃO-PAULINOS: “RESPEITO MUITO”
VANDERLEI LUXEMBURGO: “EU TENHO QUE DIRIGIR O SÃO PAULO”

Primeiramente, Falcão relembrou como apareceu a proposta do São Paulo e afirmou que a personalidade de Leão não deixou que ele trabalhasse no Tricolor.

Sempre apareceu pra mim (no futebol de campo): no Palmeiras, Ademir da Guia me levou. Na Portuguesa, o presidente me chamou para ficar, fiquei dois meses e não recebi nenhum centavo. E o São Paulo foi também uma situação que o presidente (Marcelo Portugal Gouvêa) me chamou, aí eu tava no lugar certo com o treinador errado. (Para o Emerson Leão era) Coisa de jogador do presidente e quem trabalhou com o homem sabe que não tem quem mude a cabeça dele“, contou

Logo na sequência, Falcão deu a entender que Leão o boicotou no clube e impediu que sua carreira nos campos desse início, onde afirmou que se tornou uma coisa pessoal para o técnico.

(Eu) Treinava bem, aí o treino era fechado, ninguém via e ele falava que eu treinava mal. Sempre que eu entrava (nos jogos), entrava bem, só que chegou em um ponto que por exemplo: jogo de maior repercussão, o Leão me cortava no vestiário. E depois de dois meses, sempre que começava o segundo tempo íamos aquecer atrás do gol e eu era proibido, porque a torcida gritava meu nome. Com isso o Carlinhos Neves (ex-preparador físico do São Paulo) tinha que aquecer a gente em um espacinho perto do banco de reservas. Então ficou uma coisa pessoal”, relembrou.

Assim que o técnico saiu do São Paulo para ir para o Japão, Marcelo Portugal pediu para que Falcão voltasse ao clube e nessa até Rogério Ceni fez lobby para que o camisa 12 retornasse ao Tricolor. No entanto ele negou e não se arrepende da atitude.

Quando o Leão saiu, foi no mesmo dia que eu saí, o presidente do São Paulo me chamou na casa dele, me colocou um baita contrato de três anos, porque eles viam o dia-a-dia nos treinamentos. O Rogério Ceni falou com o presidente, o Rogério até falou ‘vai sair um pênalti, você vai lá e bate’. Mas foi mais uma opção minha (não voltar). O São Paulo me deu um contrato de três anos, mas ali eu tinha acabado de ser o melhor do mundo no futsal, tinha seis, sete patrocinadores individuais e hoje estou aqui como gestor de um time e jogando. Não sei onde estaria no futebol hoje. Então não me arrependo das minhas decisões“, concluiu.



Jornalista. Como todo torcedor também gosto de dar meus pitacos. Fã da seleção italiana, do Milan e do Arsenal.