Corinthians: motivos da eliminação

Cruzeiro x Corinthians
Foto: Daniel Augusto Jr – Agência Corinthians

O Corinthians foi eliminado ontem da Copa do Brasil, após perder o jogo de volta para o Cruzeiro pelo placar de 4×2. Na primeira partida, o Timão havia vencido pelo placar de 2×1. Dessa forma, acabaram-se as chances de um título nessa temporada. E com a eliminação, o time volta sua atenção ao Brasileirão, para tentar buscar uma das vagas na Libertadores do próximo ano.

O jogo no primeiro tempo foi bem dividido. A primeira metade foi do Cruzeiro. Com marcação alta, abafou a saída de bola do Timão, que não conseguia sair do campo defensivo. E logo aos cinco minutos, o meio-campista cruzeirense Rafinha sentiu uma lesão muscular e teve que deixar a partida. Em seu lugar entrou Arrascaeta, preste atenção nesse nome, ele mudou o jogo. Nesse momento, a Raposa criou algumas oportunidades e conseguiu abrir o placar. Em dupla falha de Fágner, primeiro no chutão e depois na marcação. Robinho lançou a bola para a Arrascaeta livre, chegar próximo ao fundo e cruzar para Ábila, praticamente sozinho, empurrar para as redes. 1×0 para o Cruzeiro.

Depois do gol, Oswaldo de Oliveira passou instruções ao time, para a troca de posicionamento de alguns jogadores: Giovanni Augusto ficou aberto pela direita, Marquinhos Gabriel pela esquerda, Guilherme recuou para centro do meio-campo e Romero foi para o ataque. Com isso o time começou a tocar melhor a bola e envolver o adversário. O time conseguiu aos poucos chegar próximo ao gol da Raposa. E em jogada iniciada por Guilherme, ele tocou para Uendel, que levantou na área, e Rodriguinho marcou de cabeça, empatando a partida. Da metade até o final do primeiro tempo, o Timão dominou. Foi um primeiro tempo bem dividido em ações e situações. Até aquele momento, o resultado de empate, era justo.

Na volta do segundo tempo, não houve alterações de nomes, mas de postura. O Corinthians bem que tentou no começo da segunda etapa fazer o segundo gol, mas faltou a intensidade aplicada no fim do primeiro tempo. Criou algumas oportunidades, sendo a mais clara, a chance perdida por Guilherme, após o rebote do goleiro celeste.  O time do Cruzeiro voltou mais ligado e envolvente. Tanto que em um contra-ataque puxado por Arrascaeta, Pedro Henrique esteve próximo do lance na marcação, até que o meia entrou na área, e foi derrubado pelo jovem defensor.  O pênalti foi marcado, e Ábila não desperdiçou a chance. Cruzeiro 2×1 Corinthians.

Nessa altura do jogo, a partida iria para disputa de pênaltis. Porém, a partir do segundo gol, o time corintiano sentiu o golpe, e ficou nervoso e desconcentrado. Em cobrança de escanteio, o zagueiro cruzeirense Bruno Rodrigo, subiu sozinho, para estufar as redes corintianas. Mais uma falha de marcação da defesa alvinegra. Fágner e Rodriguinho até tentaram fazer a marcação, mas foi em vão!

Com 3×1 no placar, o time do Cruzeiro ficou ainda mais tranquilo, e o Timão foi para cima. Oswaldo de Oliveira colocou Marlone e Lucca e o panorama do jogo não mudou.  E em um lance “bobo”, Uendel fez falta desnecessária em Henrique, em disputa de bola pelo alto. Na cobrança, Robinho deu uma cavada por cima da barreira, e Arrascaeta sozinho marcou o quarto gol celeste. Novamente uma falha de marcação incrível da defesa do Corinthians.  Nesse momento, o jogo estava 4×1 para o Cruzeiro.

E então, Oswaldo de Oliveira deu a cartada final, e colocou Rildo em campo. Num dos primeiros lances dele em campo, Marlone inverteu a jogada para Fágner na direita, que dominou e passou para Rildo escorar para o gol. O placar era de 4×2 nesse momento. Porém, faltava ao Timão a intensidade para tentar fazer o terceiro gol e o jogo acabou encerrado com esse placar, e com a classificação do time celeste.

Ao fim do jogo, alguns jogadores do Corinthians reclamaram do árbitro da partida, alegando que alguns jogadores do Cruzeiro fizeram muita cera ao longo do jogo e da reposições de bola feita pelos gandulas do estádio do Mineirão eram insuficientes. Mas é fato que o time cruzeirense aproveitou melhor as chances criadas e soube ter a intensidade necessária durante a segunda etapa para matar o jogo.

O time corintiano pode tirar algumas lições desse jogo:

– A defesa tão elogiada pela eficiência em outras temporadas, precisa intensificar os treinamentos de posicionamento, seja com bola rolando, seja em bolas paradas.

– O Camacho tem boa qualidade de passe, mas não pode ficar sozinho na marcação em frente da defesa. Precisa que alguém ajude no reforço da marcação.

– A variação de Guilherme em campo é positiva. Ele pode ser considerado meia-atacante. Quando joga assim, principalmente com a aproximação do Rodriguinho, o rendimento desses dois jogadores cresce. Algo a ser pensado para o futuro.

– A falta de um centroavante. Guilherme e Romero não são da posição. E Gustavo não atuou bem, nas partidas em que jogou. É um setor em que Oswaldo de Oliveira vai ter que quebrar a cabeça para encontrar uma solução.