Autuori crítica ciclo vicioso de troca de técnicos no Brasil: “Zé Ricardo aconteceu pela necessidade”

Foto: Reprodução/Espn.com.br

Paulo Autuori integra o time dos treinadores que pedem para que o futebol seja planejado, desde a base, para que o profissional tenha êxitos. Em entrevista ao programa Bola da Vez, do canal ESPN, o atual técnico do Atlético-PR clama para que novos profissionais passem a ter mais espaço no futebol brasileiro e cita o treinador do Flamengo como exemplo.

LEIA MAIS
MARLONE REVELA O QUE OSWALDO JÁ MUDOU NO TIME DO CORINTHIANS
DE OLHO EM 2017, SÃO PAULO ABRE CONVERSAS PARA CONTAR COM NILMAR
APÓS LEVAR SOCO EM TREINO, MARCIEL TIRA SARRO DE VILSON EM REDE SOCIAL

“Eu adoro futebol. Gosto do que faço. Só que a gente precisa abrir espaço para novas profissionais. Entende? Acho fundamental. Precisa sair desse ciclo vicioso da qual eu faço parte. Sai um, entra outro, sai um, entra outro. Estou incluído nisso”, disse.

Durante a participação na atração, Autuori avisou que já articula a aposentadoria do cargo de treinador para se tornar um gestor , mais conhecido como diretor de futebol, dentro do Atlético-PR. A ideia é planejar o futebol para que o futebol brasileiro deixe de ver tudo acontecer por acaso.

“Acho que precisa coragem e quero utilizar meu cargo para sair das palavras para os atos. Coragem de poder, não de forma aleatória ou por necessidade. Por exemplo, o Zé Ricardo tá fazendo um belíssimo trabalho no Flamengo. Mas foi uma ideia plantada desde o início ou aconteceu pela necessidade? Necessidade. Quero que essa ideia surja de forma planejada”, declarou o treinador.

O técnico, inclusive, revela que existem profissionais no Furacão sendo preparados para assumir seu cargo futuramente. “Já começamos (a formar). O Bruno Pivette é um cara muito inteligente e tem livro falando de periodização tática. Quando entrei, falei, e para o Kelly, “não quero que vocês se sintam assistentes”. Eu tirei essa palavras. “Vocês são técnicos. Temos uma equipe e gostaria de vê-los na função quando estiver em outro cargo”. Eles já conhecem e estão ambientalizados com o clube. Quero nessa função, a coragem para dar tranquilidade para o técnico. Quero fazer isso no futuro. Entra um técnico que decidimos e no meio do caminho sair por resultados ruins, eu saio junto. Podem me cobrar”, concluiu.



Jornalista com passagens pelo Portal R7, Jornal do Trem, Impacto Comunicação, Dialoog Comunicação e Comunicale.