Após 11 meses parado, Johnny Eduardo faz apelo ao UFC: “Queria lutar mais”

Johnny Eduardo pede mais lutas ao UFC- Foto: Maicon Vasconcelos

O brasileiro Johnny Eduardo tem luta marcada para o próximo dia 19 de novembro contra Manny Gamburyan, pelo peso-galo (até 61kg), no UFC São Paulo, o que marcará sua volta para a cidade onde estreou no MMA, 20 anos atrás. Mas nem tudo é só sorrisos para Johnny que perdeu a última luta para Aljamain Sterling em dezembro do ano passado e ficará 11 meses sem lutar.

Leia mais:

AGORA NOS EUA, GADELHA AFIRMA QUERER EVOLUIR E QUE RELAÇÃO COM DEDÉ É PROFISSIONAL
THOMINHAS ESTÁ FOCADO NA PRÓXIMA LUTA E QUER PROVAR SEU POTENCIAL NO UFC

 

“É uma luta muito boa pra mim, estou feliz. Só fico triste com a demora do UFC de me botar pra lutar. Tem esse problema com a geladeira que acho muito administrativo deles, mas isso a gente não consegue mudar. Só queria lutar mais vezes, e não uma vez por ano. Infelizmente, não sei por que, isso acontece. Perguntei ao meu empresário, perturbei muito ele para essa luta acontecer. Foi assim: eu perturbando muito, pedindo muito pra lutar; ele pedindo, falando com a organização. Agora me deram a oportunidade. Foram meses de espera, sem expectativa nenhuma, sem lesão e com muita vontade de brigar”, falou em tom de brincadeira Johnny.

Em entrevista coletiva no “Media Day” organizado pelo UFC na última terça-feira, Johnny afirmou que ficar sem lutar traz problemas financeiros para os lutadores.

“Isso tudo gera uma grande decepção e frustração para os lutadores, porque mexem onde não é pra mexer: no dinheiro da bolsa. Infelizmente, alguns atletas não conseguem juntar uma grana por causa disso, porque não temos hoje um patrocínio que possa expor a marca dentro do UFC. Então, isso tudo se torna algo prejudicial. Mas brasileiro é isso aí, sempre rompendo barreiras. Eu não sou diferente”, ressaltou Johnny.

Johnny disse acreditar que ter desenvoltura o ajudou a conseguir a luta. De acordo com ele, é necessário saber “se vender” para se dar bem no mundo da luta:

“No Twitter, eu saio dando tiro. Mas aí não pegou em ninguém. Inclusive, eu dei um tiro no Gamburyan (risos). Esse pegou. Falta para os brasileiros aprenderem a desenvolver essa parte da mídia, se vender mais no mercado. Eu também não sei usar minha empresa para vender as lutas, mas isso gera público, seguidores, empresas querendo apoiar, mais trabalho. No dia que o brasileiro se conscientizar que precisa melhorar essa parte, tudo vai mudar. Eu sou um que precisa melhorar também”, finalizou Johnny.

UFC Fight Night
19 de novembro, em São Paulo (SP)
CARD PRINCIPAL:
Peso-meio-pesado: Rogério Minotouro x Ryan Bader
Peso-galo: Thomas Almeida x Albert Morales
Peso-palha: Cláudia Gadelha x Cortney Casey
Peso-meio-médio: Warlley Alves x Kamaru Usman
Peso-médio: Thales Leites x Krzysztof Jotko
Peso-meio-médio: Serginho Moraes x Zak Ottow
CARD PRELIMINAR:
Peso-meio-pesado: Francimar Bodão x Darren Stewart
Peso-médio: Cézar Mutante x Jack Hermansson
Peso-mosca: Matheus Nicolau x Yuta Sasaki
Peso-meio-pesado: Marcos Pezão x Gadzhimurad Antigulov
Peso-galo: Johnny Eduardo x Manny Gamburyan
Peso-pesado Luis Henrique KLB x Christian Colombo
Peso-galo: Pedro Munhoz x Justin Scoggins



Sou apaixonado por esportes e política. Escrever é minha paixão. A vida é muito intensa para ser editada em palavras!