7 brasileiros que estão no futebol japonês e poderiam ser úteis no seu time

Zico é o maior nome da história do futebol japonês (Reprodução/Site Oficial Kashima Antlers)

Zico foi o primeiro jogador brasileiro de grande destaque no Japão. Sem o Galinho, um dos maiores clubes de futebol da terra do sol nascente nem existiria atualmente, o Kashima Antlers. A ida do maior ídolo da história do Flamengo e camisa 10 da seleção de 82 para o futebol japonês, abriu as portas para mais um mercado consumidor do futebol brasileiro: o Oriente.

LEIA MAIS:
7 BRASILEIROS QUE ESTÃO NO FUTEBOL TURCO E PODERIAM SER ÚTEIS NO SEU TIME

Existem atletas brasileiros em praticamente todas as equipes japonesas que disputam a primeira e a segunda divisão do País e alguns deles poderiam queimar alguma lenha atuando por alguns clubes do Campeonato Brasileiro.

1 – Obina – Matsumoto Yamaga

(Getty Images)

O mais folclórico atacante brasileiro dos últimos anos está há duas temporadas no futebol japonês. Lá, Obina também é chamado de melhor que Eto’o e a torcida do Matsumoto o vê como o grande nome da equipe. Mesmo durante toda a carreira tomada por brincadeiras e zoações dos rivais, Obina sempre deixou gols por todos os clubes por quais passou. Seu último clube no Brasil foi o América-MG, em 2014. Naquele ano, Obina se despediu do Coelho com 20 gols no ano, se tornando o artilheiro da equipe.

2 – Souza – Cerezo Osaka

(Getty images)

Souza, apelidado de Ferrugem quando ainda atuava pelo Palmeiras, é outro atleta que poderia reforçar alguns clubes no Brasil. Volante com boa chegada ao ataque e com boa qualidade no chute e nas bolas paradas, seria útil em algumas equipes das Séries A e B do Brasileirão. O atleta está emprestado pelo Cruzeiro, o que poderia facilitar a negociação por estar ligado ainda a um clube do Brasil.

3 – Nilton – Vissel Kobe

(Reprodução/Facebok Oficial Vissel Kobe)

Sempre com boas passagens por grandes clubes do Brasil, Nilton se transferiu para o futebol japonês em junho deste ano. Logo em sua chegada ao Vissel Kobe, vestiu a camisa 10 do clube e já se tornou peça-chave na equipe. Revelado pelo Corinthians, Nilton tem 28 anos e coleciona títulos pela própria equipe paulista, pelo Vasco da Gama, pelo Cruzeiro e pelo Internacional. Seria titular em diversas equipes da Série A atualmente

4 – Kayke – Yokohama F. Marinos

(Reprodução/Site Oficial Yokohama F. Marinos)

O xodó da torcida do Flamengo em 2015 foi negociado com o Yokohama Marinos do Japão e deixou alguns rubro-negros sem entender. O atacante era o principal substituto de Paolo Guerrero no time e chegou a fazer mais gols que o peruano em determinada época da temporada passada. Kayke foi revelado pelo próprio Flamengo em 2006 e teve ótima passagem pelo ABC em 2015.

5 – Wilson – Vegalta Sendai

(Reprodução/Vegalta Sendai)

Um dos jogadores há mais tempo no futebol japonês da lista e o atacante Wilson, ex-Corinthians. Com passagens pelo futebol italiano e chinês, Wilson chegou ao Vegalta em 2013 e já tem mais de 150 partidas com a camisa da equipe. Revelado no Terrão do Corinthians em 2005, o atacante foi revelado na equipe campeão brasileira do mesmo ano, sendo vendido em 2007 para o Genoa, da Itália. Wilson ainda teve boa passagem pelo Sport-PE de 2008 a 2011.

6 – Bruno Cortez – Albirex Nigata

(Reprodução/Albirex Nigata)

O melhor lateral-esquerdo do Campeonato Brasileiro de 2011 e convocado para a seleção brasileira foi parar no futebol japonês. Cortez, ex-Botafogo e São Paulo, teve um declínio na carreira após o sucesso repentino com direito a passagem pelo gigante Benfica-POR. Cortez teve uma passagem ruim pelo Criciúma em 2014, mas o futebol japonês pode ter feito bem ao lateral e ele ainda pode ser útil em algumas equipes que sofrem sem grandes nomes para a posição.

7 – Muriqui – FC Tokyo

(Divulgação)

Muriqui é um dos maiores ídolos do futebol chinês desde a criação da Liga Chinesa em sua forma atual. Após quatro temporadas atuando pelo Guanghzou Evergrande, o ex-atacante do Vasco e do Atlético-MG foi para o futebol árabe e chegou este ano ao futebol japonês. Aos 30 anos, Muriqui poderia atuar em bom nível em diversos clubes no Brasil.