Visão da arquibancada: Chuva, apagão e sufoco marcam jogo do Peixe

Crédito da foto: Gabriela Maruyama/Torcedores.com

Santos e Santa Cruz se enfrentaram no último domingo (18), no Pacaembu, pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro. Se o jogo foi um teste para cardíacos para os torcedores que acompanharam em casa, para os que compareceram ao estádio as emoções foram em dose dupla, tripla, quádrupla, quíntupla… Aliás, sou a favor da criação de uma música na seguinte linha: “Não é mole não, o Santos gosta de brincar com meu coração”.

LEIA MAIS
SOBRE ARTILHARIA MEIA DO SANTOS DIZ: “EU QUERO É SER CAMPEÃO”
POUPAR? DORIVAL GARANTE SANTOS TITULAR PARA JOGO DA COPA DO BRASIL

Em primeiro lugar, gostaria de elogiar a torcida do Peixe. Escolhi ir de Tobogã e confesso que fiquei surpresa quando cheguei, porque todas as entradas já estavam lotadas – e com uma aglomeração de pessoas do lado de fora. Àquela altura, já estava 1 a 0 para o alvinegro praiano (gol de Copete).

Aos trancos e barrancos, consegui entrar, mas só fui enxergar alguma coisa da partida com aproximadamente 15 minutos. Os adeptos do time da Vila Belmiro estiveram em peso no local – e NÃO apenas no Tobogã.

Pouco tempo depois, uma forte chuva começou a cair, no entanto, a torcida não desanimou. Mesmo após um apagão geral antes do início da segunda etapa (o Santa Cruz já estava em campo), os santistas continuaram cantando e até acenderam as luzes dos celulares para iluminar o estádio. Que momento arrepiante!

Com tudo normalizado, a equipe visitante “acordou” para o duelo e Keno deixou tudo igual no placar. Aos 19 minutos, porém, um desligamento nos refletores interrompeu o jogo novamente.  Esse fator, somado ao empate arrancado pelo clube nordestino, desgastou um pouco os torcedores. Mas o gol de Jean Mota, assim que a disputa recomeçou, deu um novo “gás” para o público.

Contudo, como é de praxe, o grupo comandado por Dorival Júnior tomou outro gol quase no final da partida, também com Keno. Olhei para o lado e minha amiga disse: ‘Não dá mais tempo’. Sentamos, desiludidas com mais dois pontos desperdiçados. No lance seguinte, entretanto, o Santos surpreendeu com Vitor Bueno. Não acreditamos. Ganhamos. Que sufoco! Que jogo louco!



Jornalista, assessora de imprensa e pós-graduanda em Jornalismo Esportivo e Multimídias. Amante dos esportes desde sempre e apaixonada por futebol inglês.