Gabigol minimiza rivalidade com Palmeiras e faz homenagem a Prass após ouro olímpico

Reprodução/Twitter

Após a disputa de pênaltis que deu ao Brasil a inédita medalha de ouro nos Jogos Olímpicos do Rio, Gabriel Jesus não se esqueceu do companheiro Fernando Prass, que foi cortado às vésperas do torneio por causa de uma fratura no cotovelo. O atacante do Palmeiras apareceu vestindo a camisa do goleiro e desejou a conquista para o camisa 1 do Verdão.

LEIA TAMBÉM:
Com Gabriel Jesus, Palmeiras mantém tradição de ter representante nos principais títulos do Brasil

Gabriel Jesus homenageia Fernando Prass na conquista do ouro inédito no torneio olímpico
Marcos provoca Alemanha após final das Olimpíadas: “aqui é Brasil, rapá”
Usain Bolt parabeniza conquista inédita do Brasil no futebol das Olimpíadas

O que muita gente se surpreendeu foi outros jogadores também prestando homenagem a Prass, inclusive nomes que jogam em clubes rivais do Palmeiras. Entre eles, o zagueiro Rodrigo Caio, do São Paulo, e o atacante Gabigol, do Santos. No caso do jogador do Peixe, a surpresa vem pelo fato de Verdão e Alvinegro terem aumentado a rivalidade desde o ano passado.

Em 2015, Santos e Palmeiras se enfrentaram em duas finais importantes – na primeira, o Peixe levou a melhor no Campeonato Paulista, e o Verdão sorriu por último na Copa do Brasil. Em 2016, o Alvinegro Praiano eliminou o Alviverde na semifinal do Paulistão, sempre com direito a provocações entre os jogadores de ambos os clubes. Gabigol sempre foi um protagonista nas piadinhas.

No período de treinamento da seleção antes das Olimpíadas, na Granja Comary, Gabigol chegou a brincar com o então companheiro de seleção, dizendo que Prass não pegava seus pênaltis. O arqueiro do Palmeiras, então, não deixou barato e lembrou que o atacante do Santos não tinha batido na decisão da Copa do Brasil, vencida pelo Verdão e que tirou o Peixe da Libertadores de 2016.

Em entrevista ao SporTV após a cerimonia de comemoração, Gabigol tratou de explicar que não há rixa qualquer com Prass. “Isso é coisa da imprensa, não tem rivalidade nenhuma. Ele é um cara excepcional. Queria muito que ele estivesse aqui, é um cara que tem muita experiência, a gente sentiu muita falta dele e esperamos que ele possa se recuperar o mais rápido possível. Esse ouro também é dele, ele faz parte disso”.


Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.