Direção da CBF planeja fim da seleção permanente de futebol feminino

Após o 4º lugar no torneio olímpico, o  destino da seleção permanente feminina parece que terá um triste desfecho. Segundo o apurado pelo blog “Bastidores FC”, uma das pessoas influentes da confederação, defende a ideia de uma revisão depois da Rio 2016, isso porquê não haveriam “vantagens” para a CBF sustentar esse modelo de pagar mensalmente jogadoras. Ainda foi ressaltado que sem resultados positivos, os elogios pela iniciativa também não vieram, e sobrou apenas a conta para pagar. O desempenho do coordenador Marco Aurélio Cunha, no entanto, é bem avaliado internamente.

LEIA MAIS: ESSA É A FOTO QUE MAIS SIMBOLIZA O RECONHECIMENTO DA SELEÇÃO DE FUTEBOL FEMININO DO BRASIL

Ao que tudo indica, o trabalho de monitoramento e desenvolvimento do esporte pode continuar – nos últimos dois anos centenas de atletas no Brasil e no exterior foram observadas -, mas o conceito de seleção permanente está no cadafalso. Disse o dirigente ao blog “Bastidores FC”. E, que apesar dos esforços o futebol feminino não “pega” no Brasil – embora muita gente tenha se encantado com o desempenho inicial da seleção feminina, especialmente enquanto a masculina sofria na primeira fase olímpica.

Marco Polo del Nero tem como uma das suas bandeiras o desenvolvimento do futebol feminino – e dá alguns recursos à CBF com este fim. O novo presidente, Gianni Infantino, – que chegou a vistar a CBF recentemente -, solicitou a entrada de mais mulheres no Conselho – ex-Comitê Executivo – e deu a uma mulher a secretaria-geral, o segundo cargo na hierarquia da confederação. A extinção do modelo de seleção permanente certamente causará desagrado por parte do novo mandatário.

Foto: Divulgação / Facebook



Súdita do Pelé e da Marta. Acredito na ética jornalística e no diálogo como primeiro passo para a reflexão e ação. Apaixonada pelo futebol feminino.