Filho do técnico, Bruninho rebate críticas e desabafa após ouro olímpico no vôlei

Crédito da imagem: Divulgação / Confederação Brasileira de Voleibol

A seleção brasileira de vôlei conquistou o terceiro título olímpico ao fazer 3 sets a 0 na Itália neste domingo (21) no Maracanãzinho. Bruninho saiu da quadra emocionado.

LEIA MAIS:
Cortado da seleção, Murilo é homenageado em pódio olímpico do vôlei
Emocionado, Serginho se despede da seleção de vôlei com ouro olímpico
Veja fotos dos medalhistas brasileiros nas Olimpíadas Rio 2016

“A única coisa que meu pai e técnico fala é que a diferença entre o vencedor e o perdedor é que o perdedor tentou mais uma vez. A medalha de ouro veio no momento mais importante de nossas vidas, quando a gente estava jogando junto com o nosso povo”, declarou Bruninho, que sempre conviveu com a pressão por ser o primogênito do técnico Bernardinho.

Esta é a terceira final consecutiva da seleção em Olimpíadas após as derrotas em Pequim 2008 e Londres 2012 para EUA e Rússia, respectivamente. “Vai demorar a cair a ficha ainda. Depois de duas pratas você nem acredita, principalmente depois da maneira que foi em Londres, que a gente teve três match points. Quando a gente não conseguiu o ouro eu ficava me perguntando: ‘Mas por que? Será que eu não mereço isso? O que tenho que fazer diferente?’. A gente bateu na trave inúmeras vezes em Liga Mundial e Campeonato Mundial mas não desistiu”, acrescentou Bruninho.

O levantador titular da seleção brasileira aliou o esforço físico com o equilíbrio espiritual. “Me sinto abençoado. Deus tem umas coisas que só Ele mesmo. A única coisa que eu tenho para falar é para continuar correndo atrás, trabalhando e se sacrificando, porque seu momento vai chegar”, finalizou.

O terceiro título dos brasileiros no vôlei chegou com intervalo de 12 anos, visto que os demais foram em Barcelona 1992 e Atenas 2004.

(Crédito da imagem: Divulgação / Confederação Brasileira de Voleibol)