Brasil: veja quem surpreendeu e quem decepcionou na Rio 2016

Brasil
Crédito da foto: Fernando Soutello/Rio 2016

No último dia de competições nas Olimpíadas do Rio de Janeiro em 2016, o Brasil saboreou o seu sétimo e último ouro, o que consolidou sua melhor participação na história dos Jogos Olímpicos. O time masculino de vôlei fez 3×0 na Itália e subiu no lugar mais alto do pódio, repetindo o que já fizera em Atenas, em 2004, também sob comando de Bernardinho. Na classificação geral do quadro de medalhas, o Brasil terminou em 13° com 19 medalhas, com 7 ouros, 6 pratas e 6 bronzes, superando as 17 medalhas de Londres e o recorde de ouros de Atenas, em 2004, quando foram 5.

LEIA MAIS:

Veja 10 personagens que roubaram a cena nas Olimpíadas 2016

O time brasileiro também bateu o seu próprio recorde de participantes em Olimpíadas. Na Rio 2016, 465 atletas estiveram representando o Brasil nas mais diferentes modalidades. Entre vitórias, derrotas, alegrias e frustrações, veja um balanço de quem surpreendeu e quem decepcionou na Rio 2016.

SURPREENDERAM: 

Facebook Oficial de Isaquias Queiroz
Facebook Oficial de Isaquias Queiroz

ISAQUIAS QUEIROZ: Antes das Olimpíadas, ninguém sabia quem era Isaquias Queiroz. Mas, a partir desta segunda-feira, como fim dos Jogos, os brasileiros devem reverenciar e agradecer ao fantástico desempenho do baiano nas provas de canoagem, que foram fundamentais para que o Brasil pudesse alcançar a sua melhor performance na história dos Jogos Olímpicos. Ele ganhou duas pratas e um bronze e se tornou o primeiro brasileiro a subir no pódio três vezes na mesma Olimpíada.

DIEGO HYPOLITO: A história de redenção de Diego Hypolito é uma das mais bonitas desta edição das Olimpíadas. Depois de fracassar como favorito nos Jogos de Pequim e Londres, ser demitido do Flamengo e ter entrado em depressão, o ginasta encontrou forças para se recuperar e tentar de novo. Em casa, competiu com alegria e fez bonito no solo, caindo de pé e conquistando a medalha de prata.

RAFAELA SILVA: O primeiro ouro do Brasil nas Olimpíadas de 2016 veio acompanhado de uma linda história de superação. A judoca Rafaela Silva, na categoria até 57kg, desbancou suas rivais e faturou o ouro quatro anos depois de fracassar em Londres e receber xingamentos racistas nas redes sociais. Com o ouro no peito, Rafaela disparou a seguinte frase: “A macaca que deveria estar na jaula em Londres agora é campeã olímpica em casa”.

POLO AQUÁTICO MASCULINO: Em um esporte com pouca tradição no Brasil, os homens do polo aquático fizeram bonito na Rio 2016. Se a medalha não veio, paciência, mas não apagará a grande campanha na primeira fase com vitórias sobre Japão, Austrália e Sérvia – atual tricampeã mundial. Nas quartas, o Brasil acabou derrotado pela Croácia, que perdeu a grande final para a Sérvia.

Thomaz Bellucci
Cristiano Andujar / CBT

THOMAZ BELLUCCI: Principal tenista brasileiro da atualidade, Thomaz Bellucci brilhou no Centro Tenístico da Rio 2016 e levantou o público ao vencer três jogos na fase de simples. Ele passou por Dustin Brown, Pablo Cuevas e David Goffin até chegar em Rafael Nadal na fase de quartas de final. Apesar de ter vencido o primeiro set, o brasileiro acabou levando a virada, mas vendeu caro o resultado e saiu do Rio de cabeça erguida.

ROBSON CONCEICÃO: Recebido com festa na Bahia, o boxeador Robson Conceição trouxe uma medalha de ouro inédita para o Brasil, em um feito histórico para o esporte brasileiro. Na semifinal, Robson se deu ao luxo de bater o cubano Lázaro Alvarez, número 1 do ranking mundial.

DECEPCIONARAM:

NATAÇÃO: Disputada na primeira semana de Olimpíada, a natação brasileira não teve bom desempenho no Rio de Janeiro. Nenhuma medalha foi conquistada e a participação ficou bastante abaixo do esperado.

HANDEBOL FEMININO: A expectativa por medalha no handebol feminino era grande já que, em 2013, no mundial da modalidade, as brasileiras fizeram história ao desbancarem as favoritas da Sérvia. Na Rio 2016, o Brasil fez uma primeira fase sem sustos, mas, em uma jornada de pouquíssima inspiração, acabaram perdendo para a Holanda logo na primeira rodada do mata-mata, nas quartas.

Foto: Divulgação/Time Brasil
Foto: Divulgação/Time Brasil

VÔLEI FEMININO: Bicampeãs olímpicas em Pequim e Londres, a seleção feminina de vôlei dava mostras de que alcançaria o tri em casa. Venceu sem perder sets todos os jogos da primeira fase e se credenciou como a grande favorita. Mas, nas quartas de final, em uma noite que nada deu certo, as brasileiras perderam para a China e ficaram de fora da disputa.

MARCELO MELO E BRUNO SOARES: Dois dos principais duplistas de tênis do mundo na atualidade, os brasileiros Marcelo Melo e Bruno Soares ficaram distantes de uma medalha na Rio 2016. Venceram somente duas rodadas e não conseguiram encaixar o jogo contra os romenos Florin Mergea e Horia Tecau. Mais tarde, os europeus perderiam a final para a dupla espanhola formada por Rafael Nadal e Marc Lopez.

BASQUETE MASCULINO: O time masculino de basquete do Brasil até chegou a empolgar em alguns momentos, como na vitória por um ponto sobre a Espanha e na eletrizante derrota na prorrogação para a Argentina. No entanto, o resultado final ficou muito abaixo daquilo que se esperava. Os brasileiros caíram na primeira fase, tendo vencido apenas dois jogos: contra Espanha e Nigéria.

 

 



Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Fã de esportes, sobretudo tênis. Colorado por paixão, jornalista por vocação e tenista por opção.