Após ouro olímpico, Neymar renuncia ao posto de capitão do Brasil

Crédito da Foto: Reprodução/TV Globo

Cansado das críticas da imprensa e por parte da torcida, o craque Neymar anunciou após a inédita medalha de ouro da seleção brasileira, que não deseja mais ser capitão da seleção. Carregando a braçadeira de há cerca de dois anos, o craque do Barcelona abdica do posto de líder e abre caminho para Tite escolher um novo “xerife” na seleção principal.

LEIA MAIS
ÍDOLO INGLÊS DIZ QUE POPULARIDADE DE NEYMAR PODE SUPERAR A DE PELÉ
INTERNET VAI À LOUCURA COM RAIO DE NEYMAR EM HOMENAGEM A BOLT
FÃ DE NEYMAR, BOLT VAI AO MARACANÃ E VIBRA COM GOL DO ATACANTE

Em entrevista ao SporTV, o jogador anunciou que teve uma conversa seria com sua família antes de tomar a decisão “É uma coisa que já conversei com a minha família. A partir de hoje não quero mais ser capitão da seleção”, avisou o craque.

Neymar valorizou a honra de poder usar a braçadeira de capitão da seleção brasileira, mas mandou um recado para Tite procurar outro para ficar com esta vaga. “Eu não carrego peso, são vocês que colocam isso em mim. Hoje, eu sai consagrado campeão eu entrego a faixa de capitão, foi uma coisa que recebi, honrei com carinho. Foi uma honra de ser capitão, mas a partir de hoje deixo de se capitão. Até mando mensagem para o Tite que a partir de agora ele pode procurar um outro capitão”, garantiu o atacante do Barcelona.

Questionado se o título era o maior de sua carreira, Neymar destaca que todas as conquistas tem um valor muito importante em sau vida. “Não gosto de colocar um título acima do outro. Todo campeonato que disputo e venço são importantes. Claro que tinha uma importância maior para o Brasil e graças a Deus conseguimos. Depois de muita luta, trabalho e concentração. Agradeço aos familiares, amigos e companheiros. Nada se vence sozinho”, finalizou o jogador.

Escolhido para ser capitão da seleção brasileira nos tempos de Dunga, logo após a Copa do Mundo de 2014, Neymar guiou o Brasil nas Eliminatórias da Copa, Copas América de 2015 e nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro como líder.



Jornalista com passagens pelo Portal R7, Jornal do Trem, Impacto Comunicação, Dialoog Comunicação e Comunicale.