Opinião: Uma briga que prejudica Cruzeiro e Riascos

Riascos
Foto: Reprodução do Facebook de Duvier Riascos

Caro Riascos, sei que você pode não ler estas linhas que escrevo, mas me permita trocar um dedo de prosa contigo. Acho saudável, natural e até justo que você possa reclamar de suas atuações no Cruzeiro, que o esquema de Paulo Bento não seja o ideal na sua opinião, etc.

Porém, uma coisa há que ficar clara. Jamais uma instituição como o Cruzeiro Esporte Clube pode ser chamada com a palavra que você usou. Este time, que nasceu Palestra Itália, tornou-se Cruzeiro por conta da Segunda Guerra Mundial e tem duas Libertadores, quatro Brasileiros e tem páginas históricas e imortais em nosso futebol. Ou seja; respeito é necessário e preciso e isso faltou em sua declaração.

Por outro lado, também preciso dedicar algumas palavras para o diretor do Cruzeiro, Thiago Scuro, que na coletiva afastou o jogador inclusive da viagem de volta a Belo Horizonte.

Caro dirigente, por mais revoltante que seja a fala do atacante Riascos, não acho que largando o jogador à própria sorte em Edson Passos, subúrbio do Rio de Janeiro, para que saísse de lá. No mínimo, direito de leva-lo de volta para sua casa, ou para a sede do clube e ali cobrar explicações do que foi dito deveria ter sido feito.

Não concordo com uma ou outra atitude. Este é um caso em que os dois lados erraram e faltou um pouco de calma e lucidez para que arestas fossem aparadas e problemas resolvidos. Essa roupa precisa ser bem lavada, mas que ela seja devidamente limpa, a portas fechadas e não expondo os dois lados como aconteceu.