Opinião: Os 4 erros que Argel cometeu no Internacional

Palmeiras
Crédito da foto: DIvulgação/Ricardo Duarte/SC Internacional

Após mais uma derrota, dessa vez contra o Santa Cruz, o técnico Argel Fucks foi demitido do comando do Internacional. Selecionei os quatro principais erros do treinador.

LEIA MAIS:
ENQUETE: FALCÃO FOI UMA ESCOLHA CERTA PARA O COMANDO DO INTERNACIONAL?
CONFIRA AS PRINCIPAIS ESTATÍSTICAS DO BRASILEIRÃO APÓS O FIM DA 14ª RODADA

1- Não entender a grandeza do Inter 

Não imaginei que ele teria problemas nesse sentido. Para quem jogou no Inter, Palmeiras, Benfica, Porto… Deveria saber que aqui Recopa Gaúcha não significa quase nada, liderar o Brasileiro por uma ou duas rodadas também é pouco. A grandeza do Colorado é muito maior do que na época em que ele foi jogador. Em uma das suas últimas entrevistas, Argel fez o comparativo que a pressão do Inter era igual a do Criciúma e Figueirense. Ali a diretoria decidiu tirá-lo.

2- Os resultados não eram acompanhados de uma boa atuação

Tirando um ou outro jogo, o time sempre vencia merecendo perder. E daí é aquela coisa, na primeira sequência ruim, todo mundo sabia que a pressão seria insustentável. Afinal, ninguém confia numa equipe que vive de fazer cruzamentos para a área.

3- Dificuldades de se expressar

As entrevistas repetitivas, falando sempre a mesma coisa, foram desgastando a relação dele com o torcedor. A cada jargão repetido ou afirmação que o time jogou bem, quando todos viram que não, mais a paciência ia pro saco. Resultado? Vaias no Beira-Rio e cornetas nas redes sociais.

4- Ainda não está pronto

Argel repetia a todo momento que se preparou para estar ali. Ok, tudo bem, mas não está pronto ainda. Ele tem várias virtudes, é um cara muito justo, dá chances pra todos, tem o respeito de todos, mas penso que o trabalho de campo ainda precisa melhorar bastante. Os treinamentos foram bem melhores na pré-temporada, mas caíram de qualidade depois. Era basicamente um coletivo dos titulares contra reservas, finalizações e bola parada. Quando dava, ainda tinha posse de bola, mas não era sempre. Poucas jogadas ensaiadas, trabalhos setorizados com mais frequência. Muito menos trabalhar jogadas diferenciadas com meias chegando de surpresa, volantes avançando, coisas desse tipo. Outra, os treinos eram sempre iguais. Não tinha nenhuma novidade, nenhuma inovação. Observar o que é feito lá fora pode ser um bom aprendizado. Argel tem boas virtudes. Precisa aprimorá-las.