Giovanni Augusto reconhece má fase: “Posso jogar mais”

Corinthians x Cruzeiro
Daniel Augusto Junior / Agência Corinthians -

O meia Giovanni Augusto está infeliz com seu rendimento dentro de campo, um dos destaques do Atlético-MG, na temporada passada, foi contratado pelo Corinthians, mas ainda não conseguiu render como na equipe mineira.

LEIA MAIS:
Diretoria do Corinthians alega ‘bom elenco’ mas torcedores cobram contratações na web
Em um mês de Corinthians, veja números de Cristóvão Borges pelo clube

Jogador de lado de campo com Tite, o meia-atacante passou a atuar centralizado com Cristóvão Borges, em função que fazia no Atlético-MG. Mas o desempenho em campo ainda não foi o esperado por ele e pela torcida. Ao mesmo tempo, Guilherme também foi destaque no time mineiro e faz sombra no banco de reservas.

O jogador concedeu entrevista coletiva nesta terça-feira na reapresentação do elenco no CT Joaquim Grava. Confira os principais trechos da entrevista.

Sobre o seu desempenho e do Guilherme:

“Reconheço que não estou jogando bem, posso jogar mais. E Guilherme tem uma qualidade impressionante. Faz bem para o grupo existir essa dúvida. Temos de provar no jogo e nos treinos que merecemos ser titulares. A competição é sadia”.

Falta de oportunidade para Marlone:

Um cara querido por todo grupo, tem qualidade grande, não está jogando pelo treinador não dar oportunidade, mas isso acontece no futebol. O grupo é grande e de qualidade. É questão de tempo para voltar a jogar. Todo mundo confia. Ele vai nos ajudar bastante.

Reencontro com Figueirense:

Mais um jogo difícil do campeonato. O gol entrou para a história, sou grato ao Figueirense, mas hoje defendo o Corinthians. Temos de vencê-los para sonhar com o título. Estou muito focado, espero fazer um grande jogo e sair com a vitória.

Pato é o melhor atacante do Brasil?:

Não, acho que no momento tem outros jogadores à frente, mas tem qualidade impressionante. Tenho certeza que quando voltar a jogar pode se tornar uma referência novamente no futebol brasileiro. Hoje temos Ricardo Oliveira, com poder de finalização grande, Fred e Pratto do Atlético-MG. E André, Luciano, Danilo. Diante deles, Pato não tem limite. Pode crescer.