Terroristas do Estado Islâmico decapitaram quatro jogadores de um clube sírio

Reprodução/ Twitter

Por considerar o futebol algo contrário as suas crenças e que as vítimas poderiam ser espiões, integrantes do Estado Islâmico assassinaram a sangue frio os jogadores e o treinador do clube.

O grupo terrorista Estado Islâmico cometeu mais um ato de barbárie na Síria. Desta vez, eles decapitaram em praça pública quatro jogadores e o treinador do time de futebol Al Shabab, pertencente a cidade de Raqqa. Após o ato, as cabeças dos jogadores foram expostas para a população, incluindo crianças, conforme apurado pelo site 101greatgoals.com.

LEIA MAIS:

Ronaldinho se junta a outras estrelas mundiais para jogar futsal na Índia

Por considerar todos os esportes anti-islâmicos, o EI vem banindo da cidade todas as praticas esportivas. Esta não foi a primeira vez que um caso de violência ocorreu associado ao futebol. Em 2015, no Iraque, 13 crianças foram assassinadas por terem sido pegas assistindo uma partida entre Jordânia e Iraque.

Houveram também dois ataques à fãs do Real Madrid no Iraque, o primeiro matou cerca de 14 pessoas que assistiam a uma partida em um clube na cidade de Samarra. O segundo aconteceu próximo a Bagdá, enquanto os torcedores assistiam a final da Liga dos Campeões. Os terroristas do Estado Islâmico iniciaram a chacina antes da disputa de pênaltis entre Real e Atlético de Madrid, deixando 12 mortos e dezenas de feridos



19 anos, estudante de Jornalismo, zagueiro nas horas vagas, nordestino com orgulho e um completo apaixonado por futebol.