Especial Rio 2016: Por onde anda… Oscar Schmidt, o “mão santa”?

Crédito da foto: Divulgação

Maior jogador da história do basquete nacional, Oscar Schmidt conquistou diversos títulos e disputou cinco Olimpíadas com a Seleção Brasileira, sendo um dos maiores ícones da história olímpica do Brasil.

LEIA MAIS:
Pelé no Sport? Quase! Veja essa e outras curiosidades sobre o futebol nordestino
Conheça o Llanfairpwllgwyngyll F.C., o clube de futebol com o nome mais longo do mundo
Mercado da bola: Antiga JOIA da base do Corinthians é reforço de clube da Série D
Mercado da bola: Meia campeão por Corinthians e Atlético-MG acerta com time da Série C

Em 32 anos de carreira dentro das quadras, o “mão santa”, atuou com a camisa amarelinha em cinco Olimpíadas – Moscou 1980, Los Angeles 1984, Seul 1988, Barcelona 1992 e Atlanta 1996.

Com a Seleção, Oscar, no entanto, não conseguiu a façanha de conquistar uma medalha em Olimpíadas, tendo o quinto lugar como maior resultado. Seu melhor título coletivo com a Seleção foi o ouro conquistado no Panamericano de 1987.

Individualmente, Oscar fez história com diversos recordes batidos. O camisa 14 é o jogador de basquete com mais participações participações olímpicas, mais pontos em Olimpíadas (1.093), mais minutos jogados, mais vezes cestinha (três) e mais pontos em um jogo (55 contra a Espanha em 1988).

Oscar se aposentou do basquetebol profissional com o recorde de mais pontos feitos: 49.737 pontos. Esta marca lhe pertence até hoje.

Desde então, o ex-craque do basquete brasileiro não tem sido lembrado pela organização olímpica brasileira de forma semelhante a outros ex-esportistas.

Atualmente, Oscar tem aproveitado toda sua experiência e vivência dentro do esporte para dar palestras motivacionais. Em oito anos, o agora palestrante já ministrou mais de 800 palestras, contratado por mais de 400 empresas.

Trabalhando nos seus arquivos, montou uma palestra motivacional em 12 versões diferentes: “Trajetória”, “Obstinação”, “Liderança”, “Desafios”, “Oscar e Marcel”, “Lições de Vida”, “Dormindo com a bola”, “Comprometimento”, “Time”, “Brasil – USA”, “Trabalho em Equipe” e “Inovação”, onde conta sua experiência de jogador e de grupo.

Nesta semana, em entrevista à jornalista Sônia Abrão, da RedeTV, o histórico camisa 14 revelou ter vencido mais uma batalha em sua vida, esta contra um câncer no cérebro.



Baiano, 22 anos, jornalista em formação pela Universidade Jorge Amado (UniJorge). Apaixonado por esportes em geral, de preferência basquete, tênis e futebol, este último com maior fervor. Contato: victorw10@outlook.com