Opinião: empate justo no Majestoso, em um jogo onde o São Paulo não se assustou

Crédito da foto: Twitter Oficial do São Paulo

Na Arena Corinthians, não houve motivos para chacotas desta vez: quem esperava que o São Paulo teria mais derrotas que o Corinthians em Itaquera, quebrou a cara. O Tricolor tem padrão de jogo, e mesmo com limitações, jogou de igual para igual com o vice líder.

LEIA MAIS:
BRASILEIRÃO 2016: VEJA COMO FICOU A CLASSIFICAÇÃO NESTE DOMINGO COM A 15ª RODADA
COM DOIS GOLS POLÊMICOS, SÃO PAULO E CORINTHIANS FICAM NO EMPATE
EM JOGO DE BAIXO NÍVEL TÉCNICO, MAJESTOSO TERMINA EMPATADO; CONFIRA A CRÔNICA DA PARTIDA

Havia uma expectativa de tragédia na Arena Corinthians nesta tarde de domingo. Talvez seja pelo frescor da goleada de 6 a 1 no ano passado que ainda ilude as duas torcidas. Apesar dos times não terem mudado tanto em relação aquele Majestoso de placar assombroso, ambas as equipes não são sombras daqueles times que protagonizaram aquela partida inesquecível para alvinegros e torturante para tricolores.

Hoje, o Corinthians está longe de jogar aquele futebol que o levou a conquista do Brasileirão 2015. Erra muitos passes, os jogadores de meio de campo não possuem uma técnica tão apurada quanto o trio Elias-Renato Augusto-Jadson. E do lado do São Paulo, apesar da eliminação recente na Libertadores, dos desfalques, ainda sobra vontade nos jogadores que entraram em campo.

No primeiro tempo, o Corinthians chegou mais ao ataque do que o São Paulo. Apesar de ter saído atrás do placar, após o gol de pênalti de Cueva, o Timão chegou ao empate com Bruno Henrique, após uma falha da defesa são paulina na tentativa de tirar a bola de dentro da área (e que acabou tirando apenas Denis do lance). E houve outra chance, que Denis salvou com uma boa defesa.

Se na primeira etapa o Corinthians ganhou quase todos os lances pelo lado direito do ataque (Avenida Mena, para quem não conhece), na segunda etapa o São Paulo corrigiu esse erro, e dificultou um pouco mais as coisas. Romero quase virou a partida em uma cabeçada que novamente exigiu de Denis uma boa defesa. E foi só. O Tricolor passou a controlar o jogo, passou a ser mais efetivo na marcação avançada, e teve vários escanteios a seu favor para tentar o segundo gol, mas não aproveitou.

Sendo realista, o São Paulo ficou até metade do segundo tempo com um jogador a menos, praticamente: Ytálo foi anulado pelo Corinthians, pouco tocou na bola. Centurion destruiu todas as jogadas em que se arriscou participar. Em compensação, Cueva jogou muito e comandou o ataque são paulino nesta tarde. Sofreu o pênalti, converteu, não se escondeu, foi para cima, driblou e marcou.

Do lado corintiano, Danilo não tem condições de jogar um tempo inteiro, imagina então, um jogo inteiro. Giovanni Augusto e Marquinhos Gabriel pouco fizeram, e Bruno Henrique e Romero foram os jogadores mais lúcidos do Timão nesta tarde. Elias entrou no segundo tempo, e com trinta segundos foi amarelado pelo árbitro e nada mais fez.

O placar foi justo, mas não dá para negar: se tem alguém que pode ficar esperançoso, é o torcedor são paulino. Realmente, o time tem padrão de jogo, tem vontade, não sente medo do adversário. Era isso que seu torcedor esperava nos clássicos e não via. É claro que tem problemas ainda: Centurion e Ytálo deixaram claros que não podem jogar no time titular do São Paulo (nem tenho certeza se deveriam ficar no banco como opção). Se a diretoria Tricolor souber contratar, principalmente um atacante e um meia, o São Paulo pode fazer bem mais do que se espera dele neste Brasileirão.