Emocionante! Casagrande revela o que faltou na amizade com Sócrates

casagrande
Crédito da foto: Reprodução/Twitter de Walter Casagrande Júnior

O espaço da FNAC ficou pequeno para comportar os fãs de Walter Casagrande Júnior, na noite desta terça-feira (13), no lançamento do livro Sócrates & Casagrande – Uma história de amor. Numa noite agradável de autógrafos, Casagrande foi simpático, bateu papo, sorriu, tirou fotos e foi super solicito no atendimento aos jornalistas que queriam ouvir de sua boca as melhores histórias que viveu ao lado do grande amigo Sócrates.

LEIA MAIS:
CASAGRANDE DETONA ATUAL GERAÇÃO DE JOGADORES E DIZ: ‘NINGUÉM SE PREOCUPA COM NADA’
CASAGRANDE CONTA QUAL FOI O MAIOR ERRO DA DEMOCRACIA CORINTIANA
CASAGRANDE CRITICA OMISSÃO DE JOGADORES NAS DISCUSSÕES POLÍTICAS: “É CÔMODO FICAREM QUIETOS”

O evento marcado para às 18 horas logo foi lotando. A FNAC recebeu uma grande quantidade de fãs do ex-jogador de Corinthians e Flamengo, e, hoje, comentarista da TV Globo. Entre as filas que se formavam pelos pequenos corredores de livros, se ouviam histórias sobre os tempos áureos da dupla com a camisa do Corinthians, gols épicos e o histórico reencontro de Casão defendendo o Flamengo, em 1993, contra o Timão em pleno Pacaembu. Eram homens, na faixa dos quarenta anos que o viram jogar, jovens de 20 anos que ficaram fãs de seu trabalho graças aos vídeos na internet e crianças que o vêem na TV e queriam estar próximo ao ex-craque do Timão.

IMG_20160712_192227742
Crédito da foto: Péterson Neves/Torcedores.com

O Torcedores.com marcou presença no evento, tirou fotos de Casagrande e numa entrevista exclusiva viu o comentarista abrir o coração para falar de momentos marcantes que viveu ao lado do grande amigo Sócrates.

A ideia de escrever o livro surgiu após a morte de Magrão (apelido de Sócrates), em 2011, logo em seguida ao jogo Corinthians x Palmeiras, no Pacaembu, em que o time comandado por Tite se tornou pentacampeão brasileiro. Casagrande não esconde que o livro é uma de seus grandes realizações pessoais.

“A satisfação é grande em relembrar momentos importantes que vivemos juntos. A amizade, o relacionamento, o prazer que eu tinha de ficar ao lado dele, e ele do meu, momentos dentro do campo, o entrosamento, os gols que nós fizemos e da alegria que a torcida do Corinthians tinha sempre que via um com a oito e o outro com a nove. O livro é um modo de me reencontrar com o Sócrates. Isso é bem emocionante”, destacou.

O comentarista da TV Globo define a amizade com Sócrates através de um jogo de palavras. “Sincera, honesta, verdadeira e sem interesse algum. Ninguém esperava nada em troca”, contou.

Para Casão, o momento marcante da amizade de ambos foi quando se identificaram como grandes amigos. “Acho que o mais marcante pra mim foi quando percebi que a gente gostava de ficar perto, de jogar juntos e conversar. Percebi isso logo em 82”, lembra o ex-jogador do Corinthians. E completou. “A imagem que eu tenho do Magrão num lance, infelizmente, não foi comigo, foi com o Palinha. O toque de calcanhar dele, contra o Santos, fez o Palinha sair na cara do gol. Aquilo define bem a genialidade do Sócrates”.

O livro em homenagem a Sócrates é uma forma de Casagrande manter viva as memórias do amigo. No entanto, Casão ressalta que faltou ter mais diálogo na amizade com Magrão. “Sim, eu consegui [falar para ele tudo que queria]. Só que faltou conversar mais, porque ficamos um tempo longe. Na época que ele morreu, a gente se aproximou. Então, senti falta de ter, pelo menos, uma duas conversas com ele pra gente falar sobre qualquer coisa. Isso faltou”, finalizou.

 



Jornalista com passagens pelo Portal R7, Jornal do Trem, Impacto Comunicação, Dialoog Comunicação e Comunicale.