Brasil vence Equador e disputará os play-offs do Grupo Mundial da Copa Davis

Foto: Reprodução/Facebook Oficial Confederação Brasileira de Tênis

Neste domingo (17), o Brasil venceu o confronto contra o Equador com uma vitória de Thomaz Bellucci e conquistou a chance de disputar uma vaga na elite da Copa Davis. Pela segunda e última rodada do Zonal Americano I, os brasileiros começaram com uma derrota de Rogerinho, porém, emplacaram três vitórias seguidas, duas de Bellucci e uma nas duplas com Marcelo Melo e Bruno Soares, garantindo seu lugar nos play-offs do Grupo Mundial.

LEIA MAIS:
BRUNO SOARES CRITICA DURAMENTE AS DESISTÊNCIAS DE TENISTAS: “A DESCULPA DO ZIKA VÍRUS É INCONSISTENTE”

A série entre Brasil e Equador disputada na arena do Minas Tenis Clube, em Belo Horizonte, se iniciou na sexta-feira (15). Rogerio Dutra Silva (90) foi o primeiro a entrar em quadra contra o equatoriano Emilio Gomez (317) e surpreendentemente foi derrotado. Com ranking superior, o brasileiro perdeu por três sets a zero, parciais de 7-5/6-0/6-4, com direito a um “pneu” no segundo set.

Logo em seguida da partida de Rogerinho, Thomaz Bellucci (49), vindo de título no Challenger de Braunschweig, enfrentou Roberto Quiroz (434) e empatou a série com uma vitória por três sets a um, parciais de 7-5/7-6(3)/3-6/6-3.

No sábado, com o confronto empatado, a dupla brasileira Marcelo Melo e Bruno Soares, maiores esperanças brasileiras nas Olimpíadas, vieram à quadra contra Emilio Gomez e Roberto Quiroz. Os brasileiros começaram perdendo, mas se recuperaram e venceram com certa facilidade os três seguintes sets. Por três sets a um e parciais de 6-7(4)/6-3/6-3/6-2, Melo e Soares colocaram o Brasil em vantagem pela primeira vez na série.

Restou para Bellucci classificar o Brasil em seu jogo contra Emilio Gomez, neste domingo. Vencendo por três sets a um, parciais de 7-6(11)/6-7(6)/6-2/7-5, em 3h22, Thomaz garantiu o Brasil nos play-offs do Grupo Mundial da Davis fechando a série em 3-1.

O que impressionou foi a dificuldade imposta pelos equatorianos aos brasileiros. Com rankings inferiores (o melhor equatoriano ocupa a 317ª posição, enquanto Rogerinho seria o brasileiro “pior” posicionado em 90º), o Equador demonstrou raça até o fim e valorizou a classificação brasileira.

O Brasil agora aguarda seu adversário nos play-offs, que decidirão quem será rebaixado e quem será promovido ao Grupo Mundial da Copa Davis 2017.