Após grande trabalho na Libertadores, erro de Bauza no jogo do Morumbi fritou o São Paulo na Colômbia

Edgardo Bauza
Crédito da foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net

O grande responsável pelo sucesso da campanha do São Paulo até às semifinais da Copa Libertadores é Edgardo Bauza. O treinador argentino custou armar a equipe no início do ano, mas conseguiu recuperar o futebol de Paulo Henrique Ganso e fez até o criticado Centurión render bons frutos em momentos decisivos do torneio continental. Conhecido pela frieza e malandragem do futebol sul-americano, o treinador do Tricolor errou, justamente, na partida contra o Atlético Nacional em casa. E o erro custou a eliminação.

LEIA MAIS:
MERCADO DA BOLA: EMPRÉSARIO DE MARLONE REVELA POR QUE O JOGADOR DESISTIU DO SPORT
SEM GANSO E KELVIN, TRICOLOR RELACIONA 22 JOGADORES PARA ENFRENTAR O ATLÉTICO NACIONAL
VÍDEO: MARINHO “TROLLA” REPÓRTER AO SER PERGUNTADO O QUE FALTOU PARA O VITÓRIA BALANÇAR AS REDES

Bauza é um treinador campeão. Já conquistou a Libertadores duas vezes, com LDU (2008) e San Lorenzo (2014) e carrega o rótulo de saber o caminho de conquistar a América. Porém, falhou, grotescamente, no jogo de ida contra o Atlético Nacional no Morumbi. Com a partida caminhando para um final em 0 a 0, ele arriscou demais ao colocar um jogador de meio de campo ao invés de mais um defensor, para fechar o buraco deixado pela expulsão de Maicon, e foi castigado. A chave dessa possível classificação era um resultado em casa.

O 0 a 0 aqui daria a vantagem de empatar com gols na Colômbia. A derrota para o time colombiano fora de casa é, absolutamente, normal. Faz parte da Libertadores. Mas se tivesse entrado sem a pressão de buscar a vantagem de dois gols seria diferente. Poderia atacar com cautela, se defender sem medo da proximidade do fim do jogo e explorar o erro do adversário.

O que resta ao torcedor são-paulino é saber que o time que perdeu por 2 a 1 jogou no seu limite. Não tinha mais a entregar do que já estava jogando em campo. Foram guerreiros. Não dá crucificar os jogadores e, sim, quem contrata. Um clube do porte do São Paulo não pode ter apenas 11 titulares e apenas apostas no banco de reservas. Bauza errou, vai remontar o time com a saída de Calleri e Ganso, mas precisa de opções de qualidade. O mantra de que sempre se dá um jeito custa caro e a prova disso foi ontem.



Jornalista com passagens pelo Portal R7, Jornal do Trem, Impacto Comunicação, Dialoog Comunicação e Comunicale.