Opinião: Atitude de Suárez é um tapa na cara de Neymar e Seleção Brasileira

Crédito da foto: Reprodução\ Twitter

Quem assistiu ao jogo em que o Uruguai saiu derrota para a Venezuela ficou comovido com a atitude de Luis Suárez. Não tem como falar que era birra do craque do Barcelona, o cara queria jogar e ajudar seu Pais. Mesmo lesionado, ele se levantou do banco, pediu ao técnico para entrar no jogo, aqueceu cerca de 10 minutos e ficou irritado com a não escolha de Óscar Tabárez para entrar no segundo tempo. A atitude do jogador é um tapa na cara da seleção brasileira que não se entrega em campo. 

Leia mais:
PARA MATAR AS SAUDADES! VEJA 20 GOLS INCRÍVEIS DE IBRAHIMOVIC NO PARIS SAINT-GERMAIN
SAN SIRO OU GIUSEPPE MEAZZA? DESCUBRA POR QUE MILAN E INTER UTILIZAM O MESMO ESTÁDIO

Suárez, em nenhum momento, se preocupou se a atitude de socar o vidro do banco de reservas iria queimar sua imagem. O cara queria entrar em campo, mesmo machucado — correndo risco de agravar sua lesão e perder uma renovação de contrato milionária com o Barcelona — para ajudar sua seleção a vencer. Que orgulho de vê-lo mostrar que ainda existem jogadores que amam sua pátria. E que pena que ao olhar para a nossa seleção não temos ninguém assim.

Na Seleção de Dunga, os jogadores fazem o arroz com feijão. Correm para não passarem a impressão de corpo mole, mas não suam sangue com a camisa brasileira. Você não vê disputas de bola acirradas dos brasileiros. Todos estão mais preocupados com a sua imagem, com seus contratos milionários no futebol europeu e não se matam pelo nosso time. “Ah, mais o cara era pobre e conseguiu tudo através do futebol”, alguns me disseram. Tá, mas Suárez também era pobre, venceu na vida e queria vencer com a sua seleção.

Enquanto Suárez estava desesperado para entrar em campo e ajudar o Uruguai, Neymar está curtindo a vida adoidada, nos Estados Unidos, com Justin Bieber, Hamilton e cia. Claro, ele pode fazer isso, mas não num momento em que o Brasil deposita nele as esperanças de retomar o posto de campeão mundial. Neymar tinha que ter brigado com o Barça, dito que é brasileiro e iria defender sua pátria de qualquer forma. Até porque não faltaria clube que o contrataria caso o clube catalão decidisse dispensá-lo devido a atitude.

Muito dizem que Suárez tem um parafuso a menos, e eu até concordo. Mas não tem como negar que o cara se entrega ao máximo pelo Uruguai. Pare e pense, e vou repetir uma coisa: mesmo lesionado, correndo o risco de agravar o ferimento, o cara queria entrar em campo, numa competição que não tem tanto peso, para conquistar a vitória a todo custo. Só isso é outro tapa na cara.

Você pode até achar que estou sendo maluco em falar disso, mas, na minha opinião, falta sangue, garra e luta no Brasil. Não ligo de perder, faz parte do esporte, mas precisa comer a bola e ser derrota devido a diferença técnica. Sair derrota como nos últimos anos em que ficam aqueles vários “si tivesse feito isso, ou aquilo tinha ganhado” não dá. Muitos brasileiros preferem os jogos dos seus clubes de coração a seleção. E eu sou um deles.

No final do post tem um campo de comentários, se você não concorda comigo, cite um jogo em que o Brasil te encheu de orgulho desde a conquista da Copa de 2002.



Jornalista com passagens pelo Portal R7, Jornal do Trem, Impacto Comunicação, Dialoog Comunicação e Comunicale.