O que Serginho, Daniel Dias e Mayra Aguiar têm em comum? Conheça o Time Petrobras

Divulgação

A plasticidade do movimento perfeito da ginasta Flavinha Saraiva. A precisão de um golpe da judoca Mayra Aguiar. A superação do nadador paraolímpico Daniel Dias. A experiência do líbero Serginho. Sabe o que esses grandes nomes do esporte brasileiro têm em comum? Todos fazem parte do Time Petrobras.

Formado por 25 atletas de alta performance do esporte brasileiro, o Time Petrobras foi criado para apoiar quem representa o país nas principais competições pelo mundo.

Os representantes desde seleto grupo de atletas também servem de inspiração para quem é esportista amador ou gosta de assistir os atletas brasileiros brilhando e dando exemplo de superação.

O Time Petrobras é formado por atletas de destaque como Flavinha Saraiva na ginástica artística, Mayra Aguiar no judô, Daniel Dias na paranatação, a dupla Talita e Larissa do vôlei de praia e o Serginho do vôlei. Tem ainda atletas no boxe, no remo, na esgrima, no taekwondo, no levantamento de peso, no judô, na canoagem de velocidade, no pentatlo, no basquete e até no tiro com arco.

Conheça abaixo um pouco mais sobre 10 dos atletas do Time Petrobras. Para acompanhar todos os atletas do time e saber mais, entre no site do Time Petrobras: timepetrobras.com.br.

– Daniel Dias

Daniel Dias, de 27 anos, é o recordista brasileiro de conquistas em Jogos Paralímpicos, com um total de 15 medalhas, sendo 10 ouros somando as edições de Pequim-2008 e de Londres-2012. O atleta nasceu em Campinas, São Paulo, com uma má formação congênita nos braços e na perna direita. Ele ingressou na natação quando já estava com 16 anos, tendo como grande
influência as medalhas do nadador brasileiro Clodoaldo Silva nos Jogos Paralímpicos de Atenas, em 2004. Nas Olimpíadas seguintes era Daniel quem subiria ao pódio. Além de colecionar medalhas, ele também é o detentor de uma série de recordes mundiais: 10 em piscina curta (25m) e 9 em piscina longa (50m). Por três vezes Daniel recebeu o Prêmio Laureus (2009, 2013 e 2016), considerado o Oscar do esporte mundial.

– Flávia Saraiva

A carioca Flávia Saraiva, 15, é considerada o novo fenômeno da ginástica artística brasileira. Ela começou no esporte aos oito anos de idade graças a uma prima, que incentivou a família a inscrever a menina, que “vivia de cabeça para baixo”, em um projeto esportivo desenvolvido por uma ONG na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Com apenas 1,33m de altura, Flávia se destaca pela força e explosão nas acrobacias. Suas principais provas são o solo e o salto sobre o cavalo, mas a atleta também tem conquistado bons resultados na categoria individual geral, que reúne todos os aparelhos (solo, salto, trave e barras paralelas). Nos Jogos Olímpicos da Juventude de Nanquim, China, em 2014, ainda aos 14 anos, Flávia foi ouro no solo e levou duas pratas, na trave e na categoria individual geral. A atleta também conquistou resultados importantes no Pan-Americano de Ginástica, em 2014, e nos Jogos Sul-Americanos da Juventude, em 2013.

– Isaquias Queiroz

O baiano Isaquias Queiroz entrou para a canoagem de velocidade por meio do programa Segundo Tempo, do Ministério do Esporte, em 2005, aos 11 anos, na cidade de Ubaitaba (BA). Na época, o esporte era apenas uma diversão até os treinadores perceberem que Isaquias tinha talento. Hoje, aos 20 anos, o atleta faz parte da seleção permanente de canoa, e treina no Centro de Treinamento da modalidade, na Represa de Guarapiranga, em São Paulo, com o técnico espanhol Jesus Morlán. Os melhores resultados da carreira vieram no Campeonato Mundial. Em 2013 ele foi ouro na prova C-1 500 metros – não olímpica – e bronze na olímpica C-1 1.000 metros, em que o Brasil nunca tinha conquistado nenhuma medalha até então. No Mundial de 2014, ganhou o ouro novamente na C-1 500 metros.

– Larissa e Talita

Larissa França, 33 anos, nasceu em Cachoeiro de Itapemirim, no Espírito Santo. Quando menina, jogava handebol e basquete, mas foi o vôlei que a conquistou. Como a maioria dos atletas do vôlei de praia, começou na quadra, na equipe paraense Tuna Luso Brasileira. Em 2001, passou a jogar nas areias. Em 2002, enfrentou uma hérnia de disco que quase a tirou do esporte, mas superou graças à fisioterapia. Ao lado de Ana Richa conquistou o bronze nos Jogos Pan-Americanos de Santo Domingo, em 2003. As maiores conquistas, no entanto, vieram ao lado de Juliana, com quem foi sete vezes campeã do Circuito Mundial de Vôlei de Praia. As duas também conquistaram a medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012. Após a competição, Larissa deu uma parada na carreira e voltou ao esporte em 2014 ao lado de Talita.

– Marcus D’Almeida

Considerado um fenômeno no tiro com arco, Marcus D’Almeida, de 17 anos, vem colecionando títulos importantes. Depois de conquistar a prata nos Jogos Olímpicos da Juventude, em Nanquim, na China, ano passado (2014) foi medalha de prata na Copa do Mundo Adulta de Tiro com Arco. O arqueiro ingressou no esporte aos 12 anos de idade, quando morava em Maricá, próximo à sede da Confederação Brasileira de Tiro com Arco. Ao receber um folheto da entidade, decidiu experimentar o esporte. Quatro anos depois já estaria disputando títulos internacionais. Ao fim de 2014 foi apontado como o segundo melhor arqueiro do mundo pela Federação Internacional do esporte. Recentemente foi campeão da categoria Sub-17 do Mundial Júnior, disputado nos Estados Unidos.

– Mayra Aguiar

A gaúcha Mayra Aguiar, 24, pisou pela primeira vez em um tatame quando tinha apenas 6 anos de idade. Nascida em Porto Alegre (RS), entrou para o judô com o incentivo dos pais. Na infância praticava outros esportes, e, por um tempo, conciliou as aulas de judô com o balé. Aos 15 anos, Mayra mostrou que teria futuro no esporte ao conquistar o bronze no Mundial Junior de Judô, na República Dominicana. De lá para cá, colecionou medalhas. Nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, foi bronze na categoria meio-pesado (até 78kg). No ano passado, Mayra sagrou-se campeã mundial na mesma categoria em Chelyabinsk, na Rússia.

– Pedro Solberg e Evandro

Filho da ex-jogadora de vôlei Isabel e do cineasta Ruy Solberg, o carioca Pedro Solberg, 29 anos, começou a carreira no vôlei aos 9 anos de idade jogando nas quadras pelo Fluminense, em 1995. Em 2002, foi para a praia seguindo os passos das irmãs: Maria Clara e Carol. Logo em seu primeiro ano nas areias conquistou o Campeonato Mundial de Vôlei de Praia Sub-18. Em 2003 e 2006 conquistou de novo o Mundial Sub-21. Em 2008, quando estava com 22 anos, Pedro se tornou o mais jovem atleta a conquistar o título do Campeonato Mundial, jogando ao lado de Harley. Antes de se juntar a Evandro, Pedro jogou ainda com Pedro Cunha, com Ferramenta, com o campeão olímpico Ricardo, com o medalhista olímpico Márcio, com Bruno Schmidt, com o também campeão olímpico Emanuel e com Álvaro Filho.

– Rafael “Baby”

Nascido em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Rafael Silva, o Baby, 28, começou a praticar artes marciais aos 5 anos de idade, em aulas de karatê. Somente aos 15 anos entrou para o judô. O apelido Baby surgiu porque, apesar de seu porte intimidador, Rafael é classificado pelos amigos como calmo, introspectivo e “bonzinho”. Em 2010, conquistou o ouro nos Jogos Sul-Americanos de Medelín, na Colômbia. Nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, obteve um feito histórico ao se tornar o primeiro medalhista da categoria pesado, com um bronze.

– Serginho

Sérgio Dutra dos Santos, o Serginho, 39 anos, já é um veterano em Jogos Olímpicos. Esteve em Atenas-2004, Pequim-2008 e Londres-2012. O mais vitorioso líbero da seleção brasileira de vôlei nasceu no Paraná, mas foi criado em Pirituba, periferia de São Paulo. O começo no esporte foi ainda na escola, nas aulas de educação física. Na adolescência passou por dificuldades, chegou a trabalhar como office boy, até fazer um teste para a posição de líbero do time de vôlei do Palmeiras. Corintiano fanático, foi chamado pelo clube e começou a se destacar. Chegou à seleção brasileira em 2001 e participou de diversas conquistas com o grupo comandando pelo técnico Bernardinho, incluindo o ouro nos Jogos Olímpicos de Atenas-2004, duas pratas olímpicas, dois títulos mundiais e sete ouros na Liga Mundial de Vôlei.

– Yane Marques

A pernambucana Yane Marques, de 31 anos, foi uma grata surpresa nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, quando protagonizou a conquista histórica de uma medalha de bronze no pentatlo moderno. A modalidade reúne cinco esportes disputados nesta ordem: natação, esgrima, hipismo e um evento combinado de tiro e corrida. Nascida no município de Afogados da Ingazeira, Yane começou no esporte pela natação, quando ingressou no Clube Náutico do Recife. Tempos depois descobriu sua vocação para o pentatlo. Em julho de 2015 a pernambucana ganhou o bronze no Mundial Sênior de Pentatlo Moderno, em Berlim (ALE).



Editor senior do Torcedores.com, o jornalista formou-se na Universidade Metodista em 2009 e passou pelas redações do Diário do Grande ABC, Agora SP, UOL e Fox Sports, onde fez a cobertura da Copa do Mundo de 2014. Está no Torcedores desde outubro de 2014.