O que esperar da Ginástica Artística brasileira para o Rio 2016?

Foto: Ricardo Bufolin/CBG

A Ginástica Artística chega aos Jogos protagonizada por duas lendas do esporte,Kohei Uchimura e Simone Biles, além de uma talentosa geração brasileira.

LEIA MAIS
BRASIL SALTA DE NOVE PARA 22 MEDALHAS NA COPA DO MUNDO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA

Sempre um dos esportes mais esperados dos Jogos Olímpicos, a Ginástica artística chega para confirmar suas lendas e revelar novos campeões no Rio 2016. Kohei Uchimura e Simone Biles têm tudo para quebrar recordes e confirmar o favoritismo dado a eles nessa edição olímpica.

Em relação à equipe brasileira, as expectativas são excelentes depois da classificação inédita dos dois times, masculino e feminino, para a competição por equipes, confirmada no Evento-teste de abril. Pela primeira vez, as equipes brasileiras feminina e masculina irão para os Jogos completas.

Recentemente, ocorreu a edição brasileira da Copa do mundo disputada no Ibirapuera em São Paulo, como preparação para os Jogos e o que se viu foi um show dos atletas brasileiros. Na competição feminina, Daniele Hypólito foi o grande nome da equipe brasileira, tendo conquistado 3 medalhas de ouro em 4 aparelhos. Rebecca Andrade também se destacou com 2 medalhas, uma de prata e uma de bronze, além do bronze de Carolyne Pedro no solo.

Na competição masculina, destaque para Sérgio Sasaki com duas pratas e um ouro, além da medalha de ouro de Arthur Zanetti nas argolas, o grande nome da delegação brasileira para os Jogos e grande candidato ao bicampeonato olímpico. Arthur Mariano e Diego Hypólito também conquistaram medalhas e se destacaram no evento.

Fica a expectativa para a confirmação dos nomes para os Jogos, mas o objetivo brasileiro é fazer uma boa participação em casa, tanto na competição por equipes, quanto nos aparelhos individuais.

A maior chance de medalha é nas argolas com Arthur Zanetti, favorito à conquista do ouro. Será interessante a participação brasileira no individual geral, depois de excelentes participações recentes nos campeonatos mundiais de Tóquio e Glasgow. Diego Hypólito busca a recuperação total de sua lesão recente para fazer uma boa competição e brigar por medalhas. No feminino, será uma competição para adquirir uma maior experiência na equipe brasileira, muito jovem e com pouca bagagem em grandes campeonatos.