Meu Palmeiras x Corinthians inesquecível: 1986 – o jogo da justiça

Reprodução Youtube

Ao longo de uma história quase centenária, Palmeiras x Corinthians já fizeram jogos dignos de esquecimento e partidas épicas. Essa classificação pode ser dada a semifinal do Campeonato Paulista de 1986, em que dois jogos decidiram quem iria para a final contra a Internacional de Limeira (SP).

No primeiro jogo, uma das mais controversas arbitragens vistas no futebol brasileiro foi a tônica da partida. O Palmeiras poderia fazer o que fosse no gramado do Morumbi que o árbitro Ulisses Tavares da Silva Filho invalidaria. O Palmeiras teve gol legítimo, pênalti e nada era apontado a seu favor. No final, além de perder três jogadores expulsos, o alviverde ainda viu Cristovão fazer o 1 a 0 que reverteria a vantagem palmeirense pela melhor campanha.

O ambiente pós jogo era contrastante. O Corinthians festejava o resultado e o Palmeiras queria fazer picadinho não apenas de Ulisses, mas de toda a comissão de arbitragem. Só que ainda tinha uma partida por acontecer, que seria marcada para os alviverdes como o “Jogo da Justiça”.

Demorou, mas a vitória chegou!

José de Assis Aragão foi o selecionado para comandar o jogo da volta entre os dois maiores rivais da capital paulista e pediu disciplina dos dois times para que as cenas do domingo anterior não se repetissem e após o apito inicial, Edmar já mandou uma bola na trave e só aos 22 que o alvinegro ameaçou com Jacenir. Contudo, era o Verdão que tinha a maior iniciativa das ações.

Porém, por mais que o Palmeiras pressionasse, o Corinthians resistia bravamente a pressão e conseguia manter o placar em 0 a 0, que daria a vaga na final. Ditinho, Eder, e todo o ataque do Palmeiras disparavam todo tipo de pressão sobre a defesa do Corinthians e em algum momento algo teria que acontecer a favor de um dos lados. Por 87 minutos a alegria era branca e preta, só que aos 42 da segunda etapa, Jorginho cobrou falta na área e Diogo deu uma casquinha de cabeça exigindo defesa de Carlos. Só que no rebote, Mirandinha empurrou para o fundo da rede, anotando 1 a 0 para o Palmeiras e forçando a prorrogação.

Veio a prorrogação e nela Mirandinha ampliou o placar, fazendo o Palmeiras retomar a vantagem perdida e no final, Éder cobrou um escanteio e marcou gol Olímpico, fechando o placar em 3 a 0.