ESPECIAL DIA DOS NAMORADOS: AMOR DAS QUADRAS PARA A VIDA

Reprodução/Facebook

Década de 1990. Fernanda Venturini, com alguns anos de vôlei já disputados, fazia parte de uma seleção brasileira que viria a ser treinada por Bernardo Rezende, o Bernardinho. O que não se imaginava na época é que uma relação meramente profissional se tornaria uma história de amor que dura até hoje.

Leia mais:

ESPECIAL DIA DOS NAMORADOS: O CASAL ‘CHOQUE-REI’ DO COMPANHEIRISMO

Treinador e atleta, conquistaram juntos o primeiro título em 1994, pelo Grand Prix, no mesmo ano em que disputaram ainda um mundial de vôlei, no qual terminaram na segunda colocação. Fernanda, que na época além de levantadora era capitã da seleção, foi peça fundamental no relacionamento com Bernardinho: era ela quem dava dicas sobre o time, e eles conversavam bastante.

Uma aproximação maior, no entanto, só aconteceu em 1996, ano em que disputaram os Jogos Olímpicos de Atlanta, nos Estados Unidos. Além da medalha de bronze na competição, era grande o respeito e a admiração que sentiam um pelo outro, sentimento proporcionado pelo esporte. Assim, não foi de se espantar que, em 1999, o casal decidisse se casar. Foi o início de uma história de uma parceria de mais de 15 anos.

A dupla ainda repetiu a dose na edição seguinte das Olimpíadas, em Sydney, no ano 2000. Posteriormente, Bernardinho passou a comandar a seleção masculina de vôlei e, alguns anos mais tarde, Fernanda se aposentou. O relacionamento que começou dentro da quadra de vôlei hoje tem apenas Bernardinho dentro delas, e ambos sempre declararam a importância da cumplicidade proporcionada pelo fato de compartilharem a profissão, além de gostos em comum nas horas livres. Afinal, muitos foram e continuam sendo os momentos em que precisam superar a distância. Da relação, o casal tem duas filhas: Julia e Vitória.

Crédito da Foto: Reprodução/Facebook



Jornalista formada em 2014, torcedora e apaixonada futebol, Fórmula 1 e esportes olímpicos. Sempre de olho nas últimas do mundo do esporte e louca por NBA.