Burro da Central: o resgate de uma torcida apaixonada

Jogadores do Taubaté comemoram o título na Série A-3 do Campeonato Paulista em 2015, ano antes de sua ascensão para a Série A-2. Foto: Blog As mil camisas/Divulgação

O Esporte Clube Taubaté é um time centenário localizado na cidade de Taubaté, no Vale do Paraíba, Estado de São Paulo. Devido à sua história e importantes conquistas, ficou conhecido como O Gigante do Vale. Nasceu em 1903 como Club Esportivo Taubateense, sendo renomeado 10 anos depois como Sport Club Taubaté. Seu primeiro presidente foi o então prefeito do município, Gastão da Câmara Leal, responsável por construir o primeiro estádio do Clube, o Campo do Bosque, na Praça Monsenhor Silva Barros, onde atualmente se localiza a “Praça da Eletro”.

LEIA MAIS:

Burro da Central: o resgate de uma torcida apaixonada 

Os apelidos adquiridos ao longo dos anos tiveram relação com títulos, conquistas e com a vontade da torcida de ver o lado bom em tudo o que era dito sobre o time. O Gigante do Vale, primeiro nome dado por conta da fama e glória do time em seus anos de criação passou por uma situação engraçada em 1954, quando enfrentou o Comercial Football Club em casa, no antigo Estádio Campo do Bosque. Por conta de uma irregularidade, o time acabou sendo litigiado. O fato foi relatado em uma charge no dia seguinte no Jornal Gazeta Esportiva, onde o time foi representado pelo desenho de um burro. O insulto, motivo de chacota dos adversários, foi adotado carinhosamente pela torcida, tornando-se assim, o Burro da Central, apelido mais conhecido. A palavra “Central” remete ao fato de que a Estrada de Ferro Central do Brasil passa pela cidade.

O futebol chegou para ser o principal esporte da região, ocupando o posto do ciclismo. Em apenas quatro anos o time ganhou o Campeonato Paulista do Interior. Revelou diversos jogadores de cenário nacional, como Hugo dos Santos, Zé Américo e Zito, que jogou ao lado de Pelé no Santos Futebol Clube. Dentre os principais títulos do Clube, está o Bicampeonato Paulista Série A-3 e o histórico título de 1979 na Série A-2 em cima de seu principal rival, o São José E.C. “Foi um momento histórico, me lembro que o jogo foi no antigo Parque Antártida do Palmeiras, eu consegui um lugar no ônibus que iria para o jogo”, relembra o torcedor Robson Luiz Monteiro, que acompanha o time desde a infância. “Com toda certeza aquele título foi especial. Foi festejado na cidade inteira”.

Mesmo com toda a alegria, o aspecto financeiro sempre foi um assunto delicado para o E.C. Taubaté. Durante a construção do atual estádio, Joaquim de Moraes Filho, conhecido como “Joaquinzão”, a diretoria apenas montou equipes para disputar campeonatos amadores, pois não havia verba suficiente para manter um time e construir o estádio ao mesmo tempo. Entre idas e vindas, a chegada à 2ª divisão do campeonato paulista foi o fundo do poço para o Clube em 2009.

Partindo do clichê “tudo que acontece de ruim é para melhorar”, os torcedores apaixonados não desistiram. Acompanharam o time nas situações ruins e desanimadoras mantendo a fé. E foi exatamente essa fé no futebol competitivo, na tradição e principalmente no amor, que trouxe de volta a força de vontade para lutar. Em um momento de tristeza para o time, o torcedor mostrou seu apoio comparecendo esperançoso aos jogos, pois mesmo sem boa atuação, sem títulos e sem recursos financeiros, uma das únicas certezas que o E.C. Taubaté tinha era a paixão da torcida.

Após anos no ostracismo, felizmente, em 2014, o futebol do Burro da Central voltou a aparecer em cena após Hélio Marcondes assumir a Presidência do Clube. As dívidas deixadas de lado por ele deram a oportunidade de focar no Campeonato Paulista da Série A-2 em 2015, alcançando assim a vitória na temporada. Porém, 80% do valor adquirido com o Campeonato foi penhorado pela Federação Paulista de Futebol, o que impediu o E.C. Taubaté de continuar em exercício durante o segundo semestre do ano de 2015.

Por ser um time de interior que cresceu junto com o desenvolvimento da cidade, o Burro da Central foi adotado como símbolo do município, passado de geração em geração o amor à camisa Alvi-Azul. É uma relação íntima, o que não se nega é que a torcida e o Clube sempre tiveram algo incomum, um amor tão sincero de toda uma população pelo time da cidade, algo difícil de se ver. Esse amor intenso fez com que surgissem as famosas Torcidas Organizadas, que na maioria dos times, principalmente os mais populares, é sinônimo de violência e agressividade dentro e fora do estádio, porém, no E.C. Taubaté foi diferente. Por mais que tivessem rixas umas com as outras, as organizadas sempre apoiaram o time de forma igual, sendo essenciais para que o Burrão se reerguesse, afinal de contas, acompanhar um time que está em má fase, só tendo uma conexão muito forte.

Consagrar-se campeão da Série A-3 do Campeonato Paulista foi o maior presente que o Clube poderia ganhar, pois fez também com que os torcedores antigos que estavam afastados voltassem ao estádio e vissem nessa ascensão a esperança de um time melhor. Novos torcedores que conheceram o E.C. Taubaté após a campanha de 2015 ajudaram a encher o estádio e popularizar o futebol Alvi-Azul. O que se pode perceber é que grande parte dos novos torcedores têm entre 15 a 20 anos, sendo a segunda fatia completa por pessoas com mais de 30 anos.

A mídia teve um papel importante na ascensão do Clube. Com mais pessoas indo ao estádio e buscando saber mais sobre o time, a transmissão da informação foi motivadora. Por mais que o conservadorismo acabe sempre insistindo que os veículos querem usar da popularização do time, era necessário mostrar esse novo despertar da paixão taubateana, principalmente da população jovem. Encontrar o equilíbrio entre relatar os fatos sobre o Burro da Central e mostrar o sentimento fervoroso da torcida é o maior desafio da mídia regional, diferente dos grandes veículos, que mostram o interior apenas em grandes acontecimentos. “O E.C. Taubaté carece muito de mídia esportiva, então o Desabafo de Um Torcedor ajuda a divulgar o trabalho do time. Pois somos o único veículo que acompanha o clube fazendo vídeos”, afirmou Renan Cesar Tomy, um dos idealizadores do canal no Youtube, Desabafo de Um Torcedor, criado em 2014.

A ascensão do E.C. Taubaté, que caminhou lentamente até começar a despontar em 2015, deu continuidade em 2016, no Campeonato Paulista da Série A-2. A torcida, motivada pela nova roupagem do time, continuou acompanhando apaixonadamente a campanha atual. A torcida aumentou ainda mais a vontade de crescer do time, e isso quase aconteceu. O Esporte Clube Taubaté por pouco não subiu mais um degrau rumo à elite do futebol paulista no primeiro semestre de 2016. Mesmo assim, a paixão da torcida estará sempre acesa para dar forças ao time e levantá-lo cada vez mais. O tempo, a busca por investimento e a boa estabilidade que vem sendo conquistada pela nova diretoria, com certeza, trará bons frutos em um futuro não tão distante no futebol do Burrão, como contou Caíque Toledo de Camargo Campos, Assessor de Imprensa do Esporte Clube Taubaté desde Agosto de 2015, mas torcedor do Clube desde a infância. “É questão de tempo. Um time com história, com potencial, com a torcida que E.C. Taubaté tem, com mídia, proximidade, apoiadores fortes, gestão segura e pé no chão, a tendência é só dar certo”.



Estudante de Jornalismo pela Universidade de Taubaté (UNITAU); Estagiário do Programa Bom Dia Vale (99.9FM) e apresentador do bloco de esportes; Estágio na ACOM ( Assessoria de Comunicação); Amante do esporte