Amaral critica Dunga e diz: “seleção brasileira é momento”

Divulgação

O ex-volante Amaral criticou o trabalho do técnico Dunga frente ao Brasil,  em entrevista exclusiva para o Torcedores.com, afirmando que o motivo de uma convocação deveria ser o momento vivido pelo atleta e não as escolhas do treinador.

LEIA MAIS

AMARAL RELEMBRA PALMEIRAS DE 96 E CITA ELENCO ATUAL: “NINGUÉM JOGARIA NAQUELE TIME”

AMARAL “LAMENTA” SER MUITO HONESTO NO FUTEBOL: “PERDI MUITO DINHEIRO POR ISSO”

“Hoje o Brasil tem gente de qualidade e o Dunga podia ter uma seleção que tiraria a responsabilidade das suas costas. Quem vive uma fase boa? Nenê, Ganso e Casemiro. Seleção Brasileira é momento”, disse o ex-atleta.

Ao avaliar a situação da atual seleção, Amaral explica que se as pessoas que estão no comando enxergassem o momento, jogadores como o Kaká não estariam sendo chamados para ficarem no banco. “Pra que me serve alguém como o Kaká no banco? Ele tem que estar dentro de campo, porque ele vai olhar por banco e ver o Oscar. Falta uma sombra”, completou.

Sobre Dunga, o ex-volante questionou as decisões tomadas nos últimos anos pelo técnico: “O Dunga é um bom treinador e tem personalidade, só que caiu em contradição. Se ele pensasse que a seleção é momento, em 2010 tinha levado Ganso e Neymar. Hoje ele (Neymar) é o capitão, porque a mídia ta em cima dele, se você faz isso, que personalidade você tem?”.

Amaral afirma que atualmente o grande problema dos treinadores é que eles tem “escolhas” pré-definidas, ou seja, preferências no que se trata de jogadores. “Sabe quem eu levaria para a seleção hoje para ser o meu xerife? O Maicon, zagueiro do São Paulo, que tem postura e é um líder dentro de campo. O Thiago Silva, por exemplo, é considerado o melhor jogador da posição e não é convocado, assim como o Marcelo do Real Madrid”, explicou.

Sobre o seu nome favorito para o cargo de técnico da seleção, o ex-volante diz que pela atual fase teria de ser Tite, fazendo uma ressalva: “De repente ele (Tite) pode ir para lá e não ser o mesmo, algo que aconteceu com o Luxemburgo.O Zagallo ficou muito tempo lá porque sempre foi o mesmo. Ele tinha o grupo e levava os melhores e é isso que faz uma Seleção Brasileira forte”.

Quando foi perguntado se jogaria no atual time do Brasil, Amaral brinca: “Com certeza, todo treinador gosta de ter um Amaral, carregador de piano que faz o meia jogar. Eu falava pro Djalminha ir pro ataque, que atrás marco eu”.

O ex-atleta é um antigo conhecido das torcidas de Palmeiras e Corinthians e disse ainda estar disponível caso receba alguma proposta que lhe interesse.