Opinião: Dois trabalhos, duas histórias; Simeone x Zidane

Montagem: Reproduções Instagram Oficial Simeone e Zidane

Neste sábado, 28, foi decidido o título da Liga dos Campeões 2015/2016 entre Real Madrid e Atlético de Madrid, em Milão, onde os merengues saíram vencedores e agora somam 11 taças no mais importante campeonato de clubes da Europa.

 

LEIA MAIS: 5 MOTIVOS QUE EXPLICAM A VITÓRIA DO REAL MADRID NA LIGA DOS CAMPEÕES

 

Dois ex-jogadores que hoje treinam as duas maiores equipes da capital espanhola. Histórias diferentes, desde os tempos em que entravam em campo.

Diego Pablo Simeone, ídolo do Atlético de Madrid, sempre foi um jogador que primava pela entrega dentro de campo. Nenhuma bola era perdida, não quando ele estava na disputa.

Zinédine Zidane tinha em seu futebol diferenças quanto ao argentino. Priorizava o jogo clássico, com toques categóricos e jogadas que faziam o torcedor levantar e reverenciar tamanha habilidade.

Os dois passaram essas características para os times que treinam atualmente. Diego desde 2011, quando assumiu os Colchoneros, e Zidane a partir da metade desta última temporada.

O Atlético de Madrid é conhecido por seu jogo de marcação intensa e disputa incessante pela bola. Para isso, compactação, marcação pressão e intensidade, são premissas para este jogo, admirado por uns, criticado por outros.

Com esse padrão, ganhou como treinador a Liga Europa, Supercopa da Uefa, Campeonato Espanhol, Copa do Rei, e Supercopa da Espanha. Bateu 2 vezes na trave na busca pela consagração, na Liga dos Campeões.

Um treinador que vive o jogo, que motiva os atletas, que inflama a torcida, que deixa tudo mais Atlético.

De outro lado, um francês mais frio, que assumiu o Real Madrid neste ano, após demissão do espanhol Rafa Benítez.

Recuperou o bom futebol dos merengues. Deu dinamismo para o meio de campo e apostou em jogadores que estavam desmotivados. Pouco tempo de trabalho, e o título que nem Simeone, nem o Atlético ganharam. Histórias do futebol.

Diego é reverenciado pelos torcedores pelo seu trabalho bem feito. Zidane, cada vez mais ídolo. Foi campeão pelo Real como técnico, auxiliar, e agora treinador.

Duas formas de trabalhar, duas histórias, dois estilos de jogo e de comando. O futebol é como a vida, nem sempre dois saem favorecidos em um duelo.

Como na história, apenas os vencedores são lembrados. No futebol, as coisas nem sempre são diferentes, mas é mais do que necessário reverenciar a boa campanha do Atlético de Madrid e de seu comandante.

Os dois vivem o futebol. Um mais vitorioso, outro tão trabalhador quanto.

Os títulos são a consagração. O trabalho é a história.

Isso, os dois já fizeram.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Estudante de jornalismo. Apaixonado por esportes e pela vida.