WEC: ao lado de Jarvis e Duval, Di Grassi vence na Bélgica

Di Grassi é o primeiro brasileiro a vencer uma prova válida por um Mundial de Endurance desde Raul Boesel, em 1989. (Foto: AdrenalMedia)

A Audi venceu neste sábado (7) as Seis Horas de Spa-Francorchamps, segunda etapa do FIA WEC, com Lucas di Grassi, Oliver Jarvis e Loïc Duval. O trio, que largou da quarta posição, travou uma boa disputa com os protótipos da Toyota na parte inicial da corrida, e se aproveitou de problemas com os rivais da equipe japonesa e da Porsche, para triunfar pela primeira vez na temporada.

LEIA MAIS:
FERRARI DIZ QUE “NÃO JOGARÁ A TOALHA”

Para Di Grassi o triunfo é ainda mais especial. O piloto tornou-se o primeiro brasileiro a vencer uma prova do Campeonato Mundial de Endurance na principal divisão do torneio, a LMP1, que possui protótipos construídos por fabricantes. Esta foi a primeira vitória de um brasileiro em uma prova válida por um Mundial de Endurance desde 1987, quando Raul Boesel venceu, justamente em Spa-Francorchamps.

A segunda colocação ficou com o Porsche conduzido por Romain Dumas, Neel Jani e Marc Lieb, vencedores da etapa de abertura do WEC, disputada em Silverstone. O pódio ainda contou com o Rebellion R-One de Alexandre Imperatore, Mathéo Tuscher e Dominik Kraihamer.

Nelsinho Piquet, que segue em sua preparação para a disputa das 24 Horas de Le Mans ao lado de Nicolas Prost e Nick Heidfeld, completou a corrida na quarta posição geral, distante cinco voltas dos vencedores. O Audi de Marcel Fässler, Andre Lotterer e Benoit Tréluyer completou a lista dos cinco melhores.

Na classe LMP2, a vitória ficou com o Alpine A460-Nissan da Signatech-Alpine, conduzido por Gustavo Menezes, Nicolas Lapierre e Stéphane Richelmi, após uma briga ferrenha com o Ligier JS P2-Nissan da Tequila Patrón ESM, conduzido por Pipo Derani, Ryan Dalziel e Christopher Cumming, que terminou em segundo. O Oreca da Manor, pilotado por Roberto Merhi, Richard Bradley e Matthew Rao terminou em terceiro, superando Bruno Senna, Ricardo González e Filipe Albuquerque, da RGR, na última volta.

Davide Rigon e Sam Bird, responsáveis pela condução de uma Ferrari 488 GTE da AF Corse, foram os vencedores da classe LMGTE-Pro, após a Ferrari dos companheiros de equipe James Calado e Gianmaria Bruni ter um problema nos dez minutos finais da prova, quando lideravam. O segundo lugar contou com o Ford GT preparado pela Chip Ganassi, que teve Marino Franchitti, Andy Priaulx e Harry Tincknell na condução, enquanto Fernando Rees, Richie Stanaway e Jonathan Adam terminaram em terceiro, com um Aston Martin.

Com um Aston Martin, Pedro Lamy, Paul Dalla Lana e Mathias Lauda saíram vencedores na classe LMGTE-Am. Patrick Long, David Heinemeier-Hansson e Khaled Al-Qubaisi foram os segundos colocados, pilotando o Porsche 911 RSR da Abu Dhabi-Proton Racing, enquanto François Perrodo, Emmanuel Collard e Rui Águas fecharam o top-3 com uma Ferrari 458 Italia da AF Corse.

A prova foi marcada por dois fortes acidentes. No primeiro, Nicki Thiim perdeu o controle do Aston Martin, bateu contra a barreira de pneus, e capotou, provocando o acionamento do Full Course Yellow. Restando 1h08min para o final da corrida, o pneu do Ford GT de Stefan Mücke estourou na Eau Rouge, fazendo o piloto bater forte contra a barreira de pneus. O Safety Car foi acionado.

O WEC terá prosseguimento entre os dias 17 e 18 de junho, com a realização das 24 Horas de Le Mans.
Foto: AdrenalMedia



Jornalista com passagens pelas revistas Racing e House Mag.