Rafael Marques: sempre boa opção para o segundo tempo, nunca cogitado como titular

Cesar Greco - Agência Palmeiras

Rafael Marques chegou ao Palmeiras com status de “homem de confiança” do técnico Oswaldo de Oliveira, onde, juntos ajudaram o Botafogo em 2013, e o atacante viveu sua melhor temporada, marcando 19 gols.

Começou bem e foi o artilheiro da equipe no primeiro semestre. Mas, sempre criticado pelo posicionamento em campo (o jogador preferia atuar pelos lados e não centralizado), aos poucos foi perdendo espaço na equipe, se tornando reserva com Marcelo Oliveira.

Fim de 2015 e começo de 2016, Rafael era uma boa opção para o segundo tempo das partidas e seguiu sendo utilizado, mas nunca tinha seu nome especulado como provável titular.

Saiu Marcelo e entrou Cuca e a história seguiu. Rafael entrava na maioria dos jogos e ajudava o Verdão, inclusive na própria semifinal do Paulistão, contra o Santos, marcando dois gols em dois minutos.

Fato é que, seja como camisa 9, ou como jogador de ponta, existirão nomes à sua frente para ser o titular, como Barrios, Alecsandro, Cristaldo, Dudu, Gabriel Jesus, Erik e Roger Guedes, mas mesmo assim, Rafael seguirá como peça fundamental nos segundos tempos do Palmeiras, principalmente quando o resultado for adverso.

Uma missão ingrata, mas Rafael cumpre, e o atacante é nome certo no elenco, mesmo com diversas especulações sobre possíveis destinos do jogador.