Opinião: F1, deixe os meninos correrem em paz! Quase mataram o GP de Mônaco

Crédito da foto: Reprodução / TV Movistar

Para que fazer um Grande Prêmio de F1 se não deixam as crianças correrem em paz? No GP de Mônaco, a teimosia da direção de prova em colocar o safety car logo na largada quase matou a corrida, que nem sempre é animada, antes mesmo de começar. Querem acabar com a categoria?

LEIA MAIS
F1 2016: CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO DO MUNDIAL DE PILOTOS APÓS O GP DE MÔNACO
F1 2016: CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO DO MUNDIAL DE CONSTRUTORES APÓS O GP DE MÔNACO

Tudo o que se podia desejar desse GP de Mônaco estava pronto para acontecer: Riccardo na frente das Mercedes e uma boa e abençoada chuva. Como todo mundo sabe que ultrapassar no circuito do Principado é um parto, nada melhor que um ingrediente externo para apimentar a situação.

Contudo, prezando pela segurança, a direção de prova decidiu que a largada seria em uma comportada fila indiana. Sem emoção. Sem risco. Para ver desfile, eu teria sintonizado na TV Bandeirantes e prestigiado o Miss São Paulo, vencido pela Miss Caconde. Jocosamente, o safety car na dianteira era uma Mercedes… coincidências da vida.

É claro que a integridade de todos deve ser preservada (ninguém esquece Jules Bianchi), mas claramente houve uma superproteção dos pilotos – que são adultos, vacinados e sabem muito bem onde amarraram o burrinho. A parte forte da chuva já tinha passado e a pista estava bem molhada, com bastante spray. E só. Qualquer batida recorrente de uma aquaplanagem é parte do jogo e, olha veja só: ela aconteceu mesmo assim. O pneus WET, que todos estavam “calçando”, servem justamente para esses casos, dispersando bastante água.

A queda de audiência da F1 nos últimos anos está intimamente ligada ao fato de que a categoria tornou-se previsível e, portanto, monótona. Por que perder 2 horas de um domingo se a gente sabe o que vai acontecer? Cada vez que a direção das provas toma uma decisão conservadora (que é muito diferente de uma decisão irresponsável), um panda, ou melhor, um ponto de audiência morre pelo mundo.

Interessante que o Safety Car só se recolheu após uma grita geral dos pilotos pelo rádio. Imagina o que poderia ter sido a prova se, desde o início, o pau estivesse cantando? E olha que mesmo com essa babaquice, o GP de Mônaco foi surpreendentemente animado.

Falta uma dose de coragem para a F1 retomar os bons tempos. Claramente temos pilotos raçudos (e até meio malucos) como Verstappen, Hamilton, Grosjean… mas se as direções de prova amarrarem e amordaçarem o ímpeto dos astros, não há como a Fórmula 1 sobreviver.

Liberem as crianças para brincar!



Mídias Sociais da AS Roma Brasil, MBA em Gestão Estratégica de Negócios, blogueiro desde 2007 e radialista amador. Escreve sobre futebol italiano, automobilismo e o que aparecer, mas gosta mesmo é de contar boas histórias